Publicado 07 de Fevereiro de 2020 - 10h18

Por AFP

O ex-presidente boliviano Evo Morales anunciou nesta segunda-feira (3) que seu advogado e ex-ministro do Interior se refugiou na embaixada argentina em La Paz para "ficar seguro", após denunciar que o governo interino de Jeanine Áñez tentou detê-lo.

"Wilfredo Chávez está seguro. Nos informam que a ditadura quer detê-lo e invadir seus escritórios. Um dos objetivos do golpe de 10 de novembro é eliminar o MAS (Movimento ao Socialismo), o maior movimento político da história", postou o ex-presidente líder desse partido, refugiado na Argentina.

Segundo o site da rádio Erbol, Morales disse a uma emissora local que o ex-ministro havia se refugiado nas instalações da embaixada argentina.

O próprio Chávez informou no Twitter que o governo tentou impedi-lo de formalizar da candidatura de Morales para as eleições gerais de 3 de maio, após as quais o ex-presidente quer retornar à Bolívia.

Depois de renunciar à presidência em novembro, forçado por protestos sociais desencadeados por denúncias de fraude nas eleições de outubro e pela perda de apoio das forças armadas, Morales se refugiou primeiro no México e depois na Argentina.

O ex-presidente anunciou antecipadamente seu desejo de se candidatar ao Senado pela região de Cochabamba, mas seu partido ainda não confirmou se cumprirá esse pedido.

jac/rb/gma/lca/mvv

Escrito por:

AFP