Publicado 07 de Fevereiro de 2020 - 10h11

Por AFP

Manifestantes hostis ao governo e partidários do influente líder xiita Moqtada al-Sadr se enfrentaram nesta terça-feira (4), um dia após confrontos que deixaram um morto entre os dois campos que agora fraturam a contestação nascida em outubro.

Em Diwaniya (sul), jovens manifestantes contra o governo e os sadristas - que usam bonés azuis - se enfrentaram e tiveram de ser separados pela polícia, informou um correspondente da AFP.

Os jovens manifestantes gritaram palavras de ordem contra Sadr, que decidiu apoiar o primeiro-ministro recém-nomeado, Mohamed Alaui. Ele é rejeitado pela população, porque foi ministro duas vezes.

Também reclamaram das autoridades e do Irã, um vizinho influente e acusado de exercer uma influência crescente no Iraque.

Em Diwaniya, como em Nassiriyah (sul), onde todas as escolas reabriram, de acordo com um líder local, centenas de estudantes continuaram protestando.

"Estamos determinados a continuar nosso movimento pacífico porque queremos um país livre de corrupção e de confessionalismo", disse à AFP o estudante Hamad Ali, em Nasiriya.

Depois de quase quatro meses de revolta, os manifestantes iraquianos se dividiram entre aqueles que escolheram dar uma chance a Alaui, como pede Sadr, e aqueles que se opõem a ele.

Na noite de segunda-feira, esse confronto se agravou em al-Hilla, ao sul de Bagdá. Um manifestante hostil ao governo morreu a facadas após um ataque de homens de boné azul, segundo fontes médicas e policiais.

Alaui tem até 2 de março para formar um governo e obter o voto de confiança do Parlamento.

bur-mjg/sbh/hj/mis/zm/mr/tt

Escrito por:

AFP