Publicado 07 de Fevereiro de 2020 - 9h55

Por AFP

As empresas de cruzeiros decidiram proibir a presença em seus navios de passageiros ou membros de tripulação que viajaram à China nos últimos 14 dias devido à epidemia do novo coronavírus - anunciou nesta segunda-feira (3) a Associação Internacional de Linhas de Cruzeiro (CLIA), com sede na Alemanha.

"Os passageiros e membros de tripulação que viajaram à China continental nos últimos 14 dias ou que vieram de lá durante este período não serão autorizados a bordo dos navios", explica um comunicado divulgado pela CLIA em Hamburgo.

A CLIA informou ainda que as viagens e os itinerários serão reprogramados, modificados, ou cancelados, em caso de necessidade, em acordo com as autoridades dos países e a Organização Mundial da Saúde (OMS).

A associação adotou as medidas para conter a propagação do coronavírus, que já provocou 361 mortes e deixou mais de 17.000 infectados na China. Um falecimento também foi registrado nas Filipinas.

O anúncio amplia uma iniciativa adotada de maneira individual por várias empresas, como MSC Cruzeiros, Costa Cruzeiros e Royal Caribbean, que decidiram vetar o embarque de passageiros que estiveram na China recentemente.

Desde o surgimento do novo coronavírus, as empresas de cruzeiros aplicam medidas de controle dos passageiros antes do embarque, como por exemplo verificar a temperatura.

Na quinta-feira da semana passada, quase 7.000 turistas e membros da tripulação permaneceram bloqueados a bordo de um navio de cruzeiro no porto italiano de Civitavecchia, mas os exames de laboratório descartaram o contágio pelo novo coronavírus.

A Ásia é o terceiro maior mercado para os cruzeiros, atrás dos Estados Unidos e da Europa, com 4,24 milhões de passageiros em 2018, segundo a CLIA.

dac/ylf/jhd/es/mis/fp/tt

Escrito por:

AFP