Publicado 07 de Fevereiro de 2020 - 9h54

Por AFP

A irritação de Kylian Mbappé no sábado (1) ao ser substituído pelo técnico Thomas Tuchel na goleada por 5 a 0 sobre o Montpellier é uma mancha na campanha triunfal do PSG no Campeonato Francês. Um novo capítulo do distanciamento entre as duas personalidades, antes do confronto contra o Nantes, nesta terça-feira (4) pela 23ª rodada da competição.

Há algo que não flui na grande temporada do PSG, líder da Ligue 1 com 12 pontos de vantagem sobre o Olympique de Marselha, classificado para as oitavas de final da Champions, para a final da Copa da Liga e para as quartas da Copa da França.

"Não são imagens boas, mas não somos o único clube que vive este tipo de reação. Não estou irritado, mas estou triste porque não é necessário", afirmou Tuchel após a partida de sábado.

"Mas continuarei assim, tomarei decisões esportivas. Não jogamos tênis, jogamos futebol, temos que ter respeito por todo mundo", completou o alemão.

A duas semanas do confronto das oitavas de final da Champions contra o Borussia Dortmund, o calendário do PSG inclui nesta semana uma visita ao Nantes e a recepção do Lyon no Parque dos Príncipes, dois jogos complicados em um momento interno turbulento do clube parisiense.

De acordo com a imprensa francesa, Mbappé e Tuchel conversaram no domingo (2) para esclarecer os desentendimentos de uma relação que já sofreu com outros episódios similares desde que o alemão assumiu o comando técnico do PSG.

Em outubro de 2018, antes da vitória por 2 a 0 sobre o Marselha, Tuchel puniu o jogador, assim como o meia Adrien Rabiot, ex-PSG, por terem se atrasado para uma reunião pré-jogo, deixando Mbappé no banco no clássico.

Mais recentemente, Mbappé se queixou de ter começado no banco na goleada por 5 a 0 sobre o Brugge, pela Liga dos Campeões. "Eu acho que deveria ter começado jogando. O técnico fez sua escolha, é preciso aceitar isso. Quero mostrar que é difícil não contar comigo", se justificou depois o atacante de 21 anos.

Naquele dia, Mbappé respondeu ao técnico com seu futebol, entrando na partida e marcando três gols.

O equilíbrio entre o ambicioso Mbappé, ávido por quebrar recordes, e Tuchel, que quer proteger sua jovem estrela e, ao mesmo tempo, dar mais oportunidades em campo a outros jogadores, é complexo.

"Acho melhor ele sair de campo irritado do que sorrindo. Isso mostra sua vontade de seguir em campo e marcar gols", explicou o zagueiro do PSG Presnel Kimpembe.

"É difícil sair, mas é preciso compreender que há outros jogadores que querem entrar", completou o meia argentino Angel Di Maria.

Na véspera da partida contra o Nantes, o desfalque de última hora de Neymar, com dores na costela, facilitará o trabalho de Tuchel, pelo menos por alguns dias.

-- Programação e resultados da 23ª rodada do Campeonato francês:

Escrito por:

AFP