Publicado 07 de Fevereiro de 2020 - 9h50

Por AFP

A província argentina de Buenos Aires, a mais povoada do país, pagará 250 milhões de dólares de um título que vencerá nesta quarta-feira para evitar a moratória, após o fracasso na tentativa de chegar a um acordo com credores para prorrogar o pagamento para maio.

O governador Axel Kicillof anunciou nesta terça-feira em coletiva de imprensa que a província lançará uma reestruturação de sua dívida em moeda estrangeira, ao considerar os próximos pagamentos "absolutamente insustentáveis".

"Nos próximos dias será conhecido o cronograma em convergência com o cronograma da Nação", antecipou o governador, referindo-se às negociações do governo do presidente Alberto Fernández, peronista de centro-esquerda.

A província de Buenos Aires enfrentará em 2020 vencimentos de aproximadamente 3 bilhões de dólares sobre um total de mais de US$ 8 bilhões até o final de 2023. A dívida total ultrapassa 11,300 bilhões de dólares.

Sobre o título que precisa pagar imediatamente, o governador explicou que usará "recursos arrecadados nesses últimos dias para enfrentar o vencimento com recursos próprios da província, sem ajuda do governo nacional".

Na semana passada, Buenos Aires fez uma convocatória aos credores e ofereceu sucessivas prorrogações de prazo para obter a adesão a um proposta de pagamento em maio.

Entretanto, a tentativa finalmente fracassou pela recusa de um fundo de investimento que detém 25% ou mais dos títulos, ocupando uma "posição bloqueadora", segundo Kicillof.

"O que temos que fazer da melhor maneira possível e entre todos é tentar buscar uma solução o menos cruel possível sem adiar mais o que já está adiado" disse, referindo-se à situação de pobreza em sua província.

Kicillof lamentou o fracasso do acordo e ressaltou que sua proposta consistia em prorrogar o vencimento da dívida.

"Não pedimos perdão, não foi uma estruturação, a província sempre tentou buscar uma solução de boa fé", garantiu.

O vencimento de capital, datado em 26 de janeiro, ultrapassava 250 milhões de dólares e os juros, 27 milhões de dólares.

O governo nacional havia antecipado que não poderia ajudar a província.

As dívidas das províncias estão legalmente separadas da nacional, mas um eventual default da principal província argentina é, segundo analistas, um potencial fator de desconfiança para os credores em sua negociação com o governo nacional.

Escrito por:

AFP