Publicado 07 de Fevereiro de 2020 - 9h46

Por AFP

Um grupo de brasileiros pediu ajuda ao governo para deixar a cidade chinesa de Wuhan, epicentro da epidemia do novo coronavírus, em um vídeo divulgado neste domingo no YouTube.

No vídeo, dirigido especificamente ao presidente Jair Bolsonaro e seu ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, os brasileiros leem trechos de uma carta de 30 de janeiro e afirmam que estão dispostos a passar por um período de quarentena.

Alguns dos que aparecem no vídeo são residentes da cidade de Wuhan e outros são parentes.

"No momento em que essa carta está sendo escrita, não há, entre nós, quaisquer casos de contaminação comprovada ou até mesmo sintomas de infecção por coronavírus", afirma uma das pessoas.

Os brasileiros pedem uma "resposta rápida" e citam como exemplos as operações realizadas por outros países para retirar seus cidadãos da China.

O número atual de residentes brasileiros em Wuhan não foi informado. As estimativas iniciais falavam de 70 pessoas, mas algumas viajavam por seus próprios meios antes que a cidade fosse declarada em quarentena.

Até o momento, o governo brasileiro afirma que uma operação para repatriar os cidadãos está sendo analisada, mas existem obstáculos diplomáticos, orçamentários e jurídicos.

Na sexta-feira, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que, para executar tal ação, o país precisa aprovar uma legislação que garanta que estes cidadãos permaneçam em quarentena assim que retornarem.

"Quem quiser vir terá que passar pelos procedimentos de proteção das 210 milhões de pessoas que estão aqui", declarou Bolsonaro.

O apelo deste domingo foi um novo pedido às autoridades brasileiras por cidadãos que estão na China. Na sexta-feira, a jogadora de futebol brasileira Millene Fernandes, do clube Wuhan Xinjiyuan, também divulgou um vídeo pedindo apoio para deixar o país.

O Brasil não registrou nenhum caso confirmado de coronavírus até o momento. As autoridades aguardam o diagnóstico de 16 casos considerados suspeitos.

pr/mps/aa/fp

Escrito por:

AFP