Publicado 07 de Fevereiro de 2020 - 9h45

Por AFP

O líder yanomami Davi Kopenawa, reconhecido com o Right Livelihood, prêmio considerado um Nobel alternativo, explica em entrevista à AFP seu chamado "urgente" de ajuda à Europa e ao mundo.

Em Londres, junto a outros três líderes indígenas brasileiros - Dario Yanomami, Raoni Metuktire e Megaron Txucarramae - Kopenawa entregou uma carta destinada ao primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, e a outros líderes europeus, na qual pede que eles não comprem produtos procedentes da destruição das terras na Amazônia.

P: Vocês foram recebidos por Boris Johnson em Downing Street (sede do governo britânico)? Do que se trata a carta?

R: O primeiro-ministro não nos recebeu pessoalmente, nos reunimos com um dos seus funcionários. Entregamos a carta por escrito. Nela falamos sobre os invasores na Amazônia, os problemas com as doenças, a demarcação de nossas terras e também o mineração ilegal. Escrevemos sobre o que o governo está destruindo ao cooperar com pessoas que querem desmatar. Pedimos nessa carta escrita para o primeiro-ministro daqui conversar com outras autoridades da Europa.

P: Qual a principal mensagem para os líderes mundiais?

R: A minha mensagem para o mundo inteiro, o meu sonho e pensamento, é escutar e sentir vontade de ajudar. A minha necessidade é que as autoridades tomem providências para tirar os invasores e os garimpeiros da terra yanomami.

P: Qual a relação de Bolsonaro com os indígenas?

R: A relação que o presidente tem conosco é de buscar riquezas em nossas terras, não se importando com a floresta ou com os povos indígenas. Ele quer explorar os recursos e as riquezas de nossas terras. A mineração, o ouro, os diamantes. Querem acabar conosco e roubar nossas terras.

P: Quais as consequências disso para o seu povo?

R: Isso pode nos destruir. O povo das cidades aumentou, cresceu muito, e por isso que eles estão querendo tomar nosso lugar. Faz 50 ou 60 anos o povo da cidade estava longe. Agora está próximo. Na cidade de Boa Vista [capital de Roraima] tem muita gente que chega lá e está preparando grandes invasões na terra yanomami para plantar capim e criar boi para vender carne para outros países.

P: Vocês estão recebendo apoio mundial?

R: Recebi um prêmio que está me ajudando a trazer visibilidade para o meu povo yanomami, a fazê-lo ser reconhecido em outros lugares, porque seu nome às vezes fica invisível. Esse prêmio foi muito útil para abrir o meu caminho, dar medo de armas de fogo. Tenho medo de perder minha vida, mas não tenho medo de lutar usando as palavras. O homem branco que estraga a minha casa não tem esse direito. Eles estão errados. Ele não sabe respeitar, nós sabemos. Eles às vezes pagam pistoleiros para matar líderes indígenas que estão lutando por suas terras.

Escrito por:

AFP