Publicado 20 de Janeiro de 2020 - 17h07

Por Adagoberto F. Baptista

Gilson Rei

Da Agência Anhanguera

[email protected]

Foram confirmados os primeiros dois casos de dengue de 2020 no município de Capivari – a 46 km de Campinas. A Secretaria de Saúde de Capivari confirmou ontem duas ocorrências no bairro Santa Rita de Cássia e alertou a população a manter-se em estado de alerta e adotar todos os cuidados para evitar que a doença se multiplique.

Campinas não registrou ainda casos de dengue neste ano e totalizou 26.306 confirmações da doença até dezembro do ano passado. Vale destacar que este não é ainda o número fechado no ano de 2019 porque casos suspeitos de dezembro estão em avaliação no Laboratório Adolfo Lutz, em São Paulo.

O último levantamento divulgado da Secretaria do Estado de Saúde de São Paulo - feito em 11 novembro passado – totalizava a confirmação de 390.654 casos de dengue em todo o Estado, com 256 óbitos. Contabilizava, ainda, 72 casos de zika e 280 de chikungunya, sem óbitos de ambas as doenças.

Ontem, com o objetivo de evitar a proliferação das larvas do mosquito Aedes aegypti, a Secretaria de Saúde de Capivari enviou mensagens e avisos com algumas dicas, incluindo o alerta para eliminar água parada em pneus velhos, piscinas de plástico ou garrafas e latas, entre outros.

Outras medidas foram lembradas: evitar o uso de pratos embaixo dos vasos de plantas; cobrir as caixas d’água e ralos; e não descartar lixo em vias públicas, já que uma tampa de garrafa com água parada pode, por exemplo, tornar-se criadouro da dengue.

Pesquisa

Um balanço inédito realizado pela Secretaria de Estado da Saúde, por meio do Levantamento Rápido de Índices para Aedes aegypti (LIRAa) apontou que em média, 2.5 criadouros do mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya são encontrados em cada residência do Estado de São Paulo.

A pesquisa classificou os tipos de recipientes em: depósitos elevados (sótãos/forros); depósitos não elevados (ao nível do solo); móveis (vasos de plantas, garrafa pet, potes plásticos); fixos (calhas, lajes, piscinas) pneus; passíveis de remoção (toldos, entulhos, sucatas) e os naturais (plantas, ocos de árvore, bambu por exemplo).

Escrito por:

Adagoberto F. Baptista