Publicado 19 de Janeiro de 2020 - 5h30

Pelo menos quatro imóveis do Centro Histórico de Campinas — tombados como patrimônio cultural da cidade — estão recebendo investimentos para reformas que melhorem a segurança ou restauro, para recuperar o que foram no passado. Nessa lista estão o Palácio da Justiça, o Correios e Telégrafos, o Externato São João e um comércio na Rua Conceição. O número, no entanto, é pequeno em relação ao grande conjunto de bens históricos que necessitam de intervenção em Campinas.

Levantamento da Coordenadoria Setorial do Patrimônio Cultural (CSPC) aponta que mais de 70% dos imóveis tombados como patrimônio cultural da cidade estão em estado razoável ou ruim de conservação, viraram ruínas ou foram demolidos, conforme o próprio Correio mostrou em reportagem no ano passado.

O levantamento, que vem sendo realizado desde 2018 pelos técnicos da CSPC, revelou que dos 582 imóveis avaliados, apenas 172 estão restaurados ou em bom estado de conservação. Mas 410 deles precisam de intervenção urgente.

Um dos edifícios que está passando por restauro fica na Rua Conceição, esquina com a Barão de Jaguara. O sobrado, construído entre 1922 e 1927 em estilo eclético, abrigou no passado o clube do Partido Republicano. Segundo o proprietário, José Carlos Martinez, da Ibiza Calçados, o térreo e o primeiro andar já foram recuperados e as obras irão se concentrar no segundo piso.

A preservação foi possível devido à ótima conservação, disse. Em poucos casos houve necessidade de restauração. O piso em ladrilho hidráulico foi substituído por formas idênticas, como pode ser observado em uma exposição em vidro, que permite ver a originalidade do material. O prédio é um dos últimos construídos em estilo eclético na cidade, substituídos em construções posteriores pelo Art Déco.

Externato São João

Outra de restauro está ocorrendo nos prédios do antigo Externato São João (Obra Social São João Bosco). Com recursos captados com a venda do potencial construtivo, estão sendo restaurados a capela, teatro e as salas de aula voltadas para a Rua José de Alencar, que são tombados. Também integra o projeto a demolição da área ampliada das salas de aula em 1970, que obstrui a visibilidade das fachadas do teatro e da capela, e a construção de novo bloco para abrigar novas salas de aula que não obstruirão nem física nem visualmente o bem tombado.

Correios e Telégrafos

Já o prédio da agência central dos Correios e Telégrafos está sofrendo intervenções na fachada, como limpeza, recuperação de itens desgastados e pintura. Além disso, a calçada está sendo recuperada — um novo corrimão em aço inoxidável e a modernização da comunicação visual estão no projeto. Inaugurado em 1948, em estilo Art Déco, foi concebido no período varguista. Pretendeu-se, à época, que a Instituição Correios fosse uma marca do seu governo em todo o Brasil.

Palácio da Justiça

Na lista das obras também está o Palácio da Justiça. Ali ocorrem obras preventivas, com limpeza e serviços de contenção para colocar a platibanda do edifício em condições de segurança. Tombado como patrimônio histórico de Campinas desde 2010, as obras emergenciais foram autorizadas pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Cultural de Campinas (Condepacc).

Inaugurado em 1942,e projetado pelo engenheiro José Maria da Silva Neves e construído pela Lix da Cunha, o prédio em estilo Art Déco inaugurou o processo de implantação do plano urbanístico proposto e projetado pelo urbanista Prestes Maia. No relatório municipal de 1935, Prestes Maia já sugeria alterações na Praça Indaiatuba que incluíam alargamentos da Rua do Rosário (nova Avenida Francisco Glicério) e da Rua Campos Sales (Avenida Campos Sales), demolição da Igreja do Rosário e instalação de um edifício principal numa das faces da praça para inverter o sentido do principal acesso da cidade.