Publicado 21 de Janeiro de 2020 - 7h59

Por Maria Teresa Costa

Antiga Rodoviária, onde será construída a nova unidade, que está orçada R$ 200 milhões; segmento privado fará reforma da Policlínica da Francisco Glicério como contrapartida

Wagner Souza/AAN

Antiga Rodoviária, onde será construída a nova unidade, que está orçada R$ 200 milhões; segmento privado fará reforma da Policlínica da Francisco Glicério como contrapartida

Após encontro ontem com o presidente do conselho de administração do Grupo D´Or, Jorge Moll, o prefeito, Jonas Donizette (PSB), anunciou para fevereiro o lançamento da pedra fundamental e início das obras do Hospital São Luiz, que será construído no terreno da antiga Rodoviária de Campinas, no bairro Botafogo. Os investimentos previstos são de R$ 200 milhões. Como contrapartida pela aprovação do empreendimento, a rede reformará a Policlínica da Avenida Francisco Glicério.

A Rede D´Or São Luiz confirmou, em nota, o lançamento da pedra fundamental em fevereiro e informou que a obra e seus projetos executivos estão em fase adiantada de planejamento e iniciará a construção tão logo sejam finalizados.

A unidade de saúde vai começar a operar com 280 leitos, sendo 75 de Unidade de Tratamento Intensivo (UTI), e com dez funcionários por vaga. A previsão é de criação de 2,8 mil novos empregos na área de saúde na cidade.

O projeto anunciado em julho de 2018 previa, na primeira fase, a construção de uma unidade de 25 mil metros quadrados. Na segunda fase, seriam construídos mais 10 mil metros quadrados e implantados outros 150 leitos, dos quais 45 de UTIs.

O hospital abrigará dez salas de cirurgia e atenderá todas as especialidades médica. Serão atendidos somente convênios médicos e não haverá leitos para atendimentos do Sistema Único de Saúde (SUS).

O São Luiz integra a Rede D’Or, uma das maiores do setor de saúde no País e que está presente em seis estados e no Distrito Federal. A área está sem utilização desde março de 2010, época da demolição do antigo terminal rodoviário, e é um dos principais vazios urbanos de Campinas. A expectativa é de que a instalação do hospital possa alavancar uma revitalização na região central.

A Prefeitura intermediou e viabilizou essa negociação. Foram oferecidos incentivos fiscais, como redução de Imposto Sobre Serviços (ISS) e Imposto Predial Territorial e Urbano (IPTU). A Rede D’Or São Luiz comprou a área do grupo Cem Empreendimentos, que havia adquirido o local da Maternidade de Campinas. A área fica na Avenida Andrade Neves, onde funcionou durante 35 anos a Estação Rodoviária Dr. Barbosa de Barros.

O terminal foi desativado em 2008 e implodido em março de 2010. A aquisição do terreno pôs fim no impasse em relação ao terreno, que é ponto de entulho e de consumo de drogas na região central. A expectativa é que a instalação do hospital seja o primeiro passo para a revitalização da região, uma reivindicação do comércio e de moradores do entorno.

Rede é a maior operadora independente do Brasil

Fundada em 1977, a Rede D’Or São Luiz é a maior rede de hospitais privados do Brasil com presença no Rio de Janeiro, São Paulo, Distrito Federal, Pernambuco, Maranhão, Sergipe e Bahia. O Grupo opera com 49 hospitais, sendo 48 próprios e um hospital sob gestão. A Rede possui 7,5 mil leitos totais, e tem planos de chegar a 11 mil leitos até 2022. São, ao todo, 51,8 mil colaboradores e 87 mil médicos credenciados, que realizam cerca de 4,05 milhões de atendimentos de emergência, 278 mil cirurgias, 33 mil partos e 476 mil internações no último ano, além de 8,2 mil cirurgias robóticas em quatro anos do início deste novo serviço. A Rede D’Or São Luiz também conta com a Oncologia D’Or e Onco Star, rede de clínicas especializadas em tratamento oncológico em oito estados brasileiros.

Escrito por:

Maria Teresa Costa