Publicado 21 de Janeiro de 2020 - 1h00

Por Carlo Carcani Filho

É inegável que o futebol paulista vive um bom momento no cenário nacional. Nos últimos cinco anos, a taça do Brasileirão ficou em São Paulo em quatro edições, duas com o Corinthians e duas com o Palmeiras. Em 2020, os quatro grandes do estado vão disputar a Copa Libertadores juntos, fato inédito na história do torneio.

Mas a fulminante ascensão do Flamengo em 2019 provocou estragos nesse bom momento paulista. Embora as conquistas e boas campanhas recentes sejam indiscutíveis, o time carioca surge como favoritíssimo à conquista dos principais títulos.

Quem mais pode ser apontado como um adversário forte na luta por um troféu que será entregue ao time que somar mais pontos em 38 rodadas? Que elenco tem condições de competir com um Flamengo que, ao que tudo indica, será ainda mais forte do que foi em 2019?

Nas competições com mata-mata (Copa do Brasil e Libertadores), as chances de que alguém consiga derrubar o rubro-negro são maiores. Mas, ainda assim, o Flamengo aparece como maior favorito em todos os campeonatos.

Com um concorrente tão forte — que manteve suas principais estrelas e ainda contratou jogadores do nível de Pedro, Michael, Gustavo Henrique e Pedro Rocha —, conquistar um título mais importante será uma missão desafiadora para paulistas, mineiros, gaúchos e paranaenses.

O Paulistão, ao contrário de outros anos, passa a ser a chance de título mais viável para os quatro grandes. Em 2019, só o Corinthians conquistou uma taça, justamente no Paulistão. O Palmeiras, com um investimento altíssimo no elenco e treinadores caros, como Felipão e Mano Menezes, passou em branco. O Santos fez até mais do que se esperava dele, mas ficou no quase.

O São Paulo, derrotado pelo Corinthians na final, completou sua sétima temporada seguida sem título. Um jejum longo demais para um clube com tamanha tradição.

Deixado em segundo plano nos tempos em que os clubes se viam em condições de conquistar títulos mais importantes, o estadual de 2020 será mais valorizado. A exemplo do que aconteceu no ano passado, é enorme o risco de que os quatro grandes, juntos, conquistem apenas uma taça durante toda a temporada que começa amanhã.

O fator Flamengo deve fazer com que palmeirenses, santistas, são-paulinos e corintianos se entreguem de corpo e alma na luta por um campeonato que, em dezembro de 2018, foi chamado de “Paulistinha” pelo presidente do Palmeiras, Maurício Galiotte. Pouco mais de um ano depois, o Paulistinha virou Paulistão outra vez.

Escrito por:

Carlo Carcani Filho