Publicado 05 de Dezembro de 2019 - 13h50

Por Adagoberto F. Baptista

Francisco Lima Neto

Da Agência Anhanguera

[email protected]

talvez receberemos fotos

Alunos e professores protestam contra a mudança do IFSP

Alunos e professores contrários à mudança das atividades do Instituto Federal de São Paulo (IFSP) para a sede própria, no distrito do Campo Grande, que ficou pronta neste ano. Atualmente, o instituto funciona em área cedida do Instituto Renato Archer, na região dos Amarais.

A direção do instituto havia informado que o novo campus só seria totalmente ocupado no final do primeiro semestre de 2020. No entanto, mesmo com a mudança para a sede própria, pretendia manter no CTI os cursos de Tecnologia em Análise de Desenvolvimento de Sistemas, Tecnologia em Eletrônica Industrial e Especialização em Microeletrônica. Mas, o instituto adiantou a mudança de campus já para o início de 2020 e confirmou que esses cursos também vão migrar para a sede própria, o que gerou a insatisfação.

CTI

A reitoria do IFSP informou que solicitou a transferência de toda a estrutura, atualmente em funcionamento nas dependências do CTI Renato Archer, para a nova sede no Campo Grande, visando contenção de despesas e melhor uso do equipamento público. Por conta disso, a direção do campus Campinas agendou uma reunião ontem, com os servidores, durante a tarde. No mesmo dia, à noite, com os pais e alunos, para informar a comunidade escolar sobre o processo de mudança.

Alunos e professores se vestiram de preto, para a reunião, simbolizando o enterro do campus do CTI. "Na verdade, os alunos estão organizando simbolicamente o enterro do campus, porque ele vai ser desativado nos Amarais. A promessa era de manter algumas atividades funcionando, mas resolveram desativar a unidade dos Amarais", explicou o professor Daniel Saverio Spozito, que já foi diretor do IFSP.

Há tempos um grupo de alunos reclama que o campus Campo Grande é muito longe com relação ao atual e os alunos terão de atravessar toda a cidade para poder estudar.

Antecipação

Na quinta-feira, dia 28, o reitor do IFSP, Eduardo Modena, o pró-Reitor de Administração, Silmário Batista, o assessor de TI, Eduardo Leal, diretor de Orçamento e Finanças, Carlos Roberto Cavalcante, reuniram-se com a diretoria do Câmpus Campinas e definiram a mudança de todas as atividades da unidade para o prédio próprio na região do Campo Grande. Estiveram presentes representando Campinas o diretor-Geral, Eberval Oliveira Castro, a diretora Adjunta de Administração, Fabiana Salim, e o diretor Adjunto Educacional, Marcelo Bonfim.

Durante a reunião foi discutida a antecipação da mudança para o Campo Grande, para o início do ano de 2020, levando todo o atendimento administrativo, laboratórios, as turmas e os cursos da unidade. Antes estava prevista para meados do próximo ano. Após a entrega do prédio próprio, em julho de 2019, três turmas de três cursos passaram a ter aulas no local. De acordo com os representantes campineiros, foram apresentados os desafios existentes para o pleno funcionamento da unidade, entre eles a ligação definitiva da energia elétrica, contrato de limpeza, telefonia, complementação da infraestrutura laboratorial e outros para garantia do funcionamento das atividades.

Tendo em vista o descontingenciamento dos recursos pelo Ministério da Educação (MEC), a reitoria do IFSP decidiu ampliar os esforços e os recursos orçamentários destinados à implantação da nova Unidade na região do Campo Grande, além de destinar equipes engajadas no auxílio para encaminhamentos dos novos processos decorrentes da decisão.

O Instituto respondeu em nota que desde o anúncio de instalação de uma unidade do Instituto Federal em Campinas ficou definido que seria na região do Campo Grande. "A parceria com o CTI Renato Archer ocorreu, sobretudo, devido aos problemas enfrentado com a construtora durante a obra. Encerradas as obras, o prédio próprio do campus Campinas, já conta com alunos desde julho de 2019", destaca.

Agora, em meio as medidas de contingenciamento de recursos anunciadas pelo MEC, a reitoria do IFSP orientou para que sejam tomadas todas as medidas necessárias para que a comunidade acadêmica desenvolva suas atividades no início do ano 2020 em prédio próprio, alcançando um objetivo traçado e sonhado há muito tempo. "O IFSP mantém seu compromisso com a comunidade campineira em oferecer educação profissional e superior de qualidade e continuar formando profissionais com elevada qualificação e de contribuir para o desenvolvimento econômico e social do Estado de São Paulo e do Brasil", conclui.

Escrito por:

Adagoberto F. Baptista