Publicado 05 de Dezembro de 2019 - 16h55

Por Daniel de Camargo

Daniel de Camargo

AGÊNCIA ANHANGUERA

[email protected]

FOTOS: LEANDRO FERREIRA

Um balanço com dados inéditos da Grow, empresa detentora das marcas Grin e Yellow, que oferece serviços de patinetes elétricos e bicicletas compartilhadas em Campinas, mostra que a cidade registrou forte adesão aos modais de micromobilidade desde o início de 2019, mas que existe há necessidade de melhoria das conexões e conservação das ciclovias em determinados locais.

O estudo foi entregue ontem à Prefeitura e, entre as estatísticas, aponta que os usuários percorreram, em média, 49 mil quilômetros mensais, de janeiro a agosto. Isso equivale a cerca de 255 viagens ida e volta para São Paulo. O levantamento constatou também que sábados e domingos são os dias preferidos dos usuários, liderando o ranking de corridas.

O objetivo da Grow é colaborar com a Administração Municipal no desenvolvimento de políticas públicas que contribuam com o avanço da mobilidade urbana no Município, auxiliando a equipe técnica na construção de um sistema de transportes mais eficiente, ambientalmente saudável, com mais qualidade de vida para os cidadãos e menor dependência do uso do automóvel. Se considerado, garantem, o levantamento pode trazer efeitos benéficos como o estímulo à criação de estruturas ciclovia?rias.

A análise apontou, por exemplo, a necessidade de melhoria das conexões e conservação das ciclovias nas vias de acesso à Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e, também, dentro da própria universidade. Isso facilitaria o deslocamento entre os prédios do campus.

"Essas informações são essenciais para auxiliar o poder público local a direcionar o investimento e otimizar resultados, dando eficiência às transformações urbanas, tão necessárias para a humanização das cidades e para a melhoria da mobilidade", avalia a analista de relações governamentais e institucionais da Grow, Renata Greco.

INTERTÍTULO: PERFIL DAS VIAGENS COM BICICLETAS

De acordo com o estudo, nos finais de semana há um fluxo grande de viagens de bicicletas nas áreas do Parque Portugal, popularmente conhecido como Lagoa do Taquaral, e da Rua Sérgio Buarque de Holanda, na Unicamp, o que aponta uso voltado ao lazer. Já durante a semana, foi registrada uma forte circulação também em Barão Geraldo - próximo à Avenida Albino José Barbosa de Oliveira - e, em toda região da Unicamp. Nos dias úteis, as quartas-feiras registram o maior volume de viagens, enquanto segundas e terças-feiras são os dias de menor volume. Já os finais de semana apresentam número de corridas mais expressivo, com domingo liderando o ranking. Durante a semana, as viagens possuem comportamentos semelhantes. O volume maior ocorre nos períodos da tarde, com pico registrado por volta das 17h. Esse perfil de viagem indica uma utilização para transporte nos deslocamentos trabalho-casa e/ou casa-estudo. As viagens possuem características diferentes entre dias úteis e finais de semana. Enquanto aos sábados e domingos as pessoas pedalam em média 2,6 quilômetros em 23 minutos (velocidade média de 6,8 km/h), em dias úteis à distância média é de 2,2 quilômetros em 15,6 minutos (velocidade de aproximadamente 7,2 km/h).

INTERTÍTULO: PERFIL DAS VIAGENS COM PATINETES

De acordo com o relatório, nos finais de semana há um grande fluxo de viagens na região do Parque Portugal com a Praça Arautos da Paz, bem como por toda a extensão da Unicamp. Nos dias de semana, além dessas mesmas áreas, há uma grande concentração de viagens ao redor da Rua Ferreira Penteado - próximo ao Centro de Convivência -, nos arredores do Tênis Clube de Campinas, bem como nas proximidades do Shopping Parque Dom Pedro, PUC-Campinas (Campus I), Hospital das Clínicas da Unicamp e no Instituto de Biologia. Às quartas e sextas-feiras apresentam o maior volume de viagens em dias úteis, enquanto segundas-feiras têm o menor volume. Nos finais de semana, o índice de corridas é mais elevado, com domingo liderando o ranking, assim como no caso das bicicletas. Nos finais de semana, o pico das viagens ocorre no período da manhã, com um maior número às 11h e a partir das 16h, sendo o domingo o dia mais intenso. As viagens têm características diferentes entre dias úteis e finais de semana. Enquanto aos sábados e domingos as pessoas andam em média 2,3 quilômetros em 19 minutos (velocidade média de 7,3 km/h), em dias úteis à distância média é 1,6 quilômetro em 16 minutos (velocidade de 6 km/h). No caso específico das patinetes, o relatório aponta que o bairro Cambuí pode ser beneficiado com uma malha cicloviária amigável a esse tipo de modal.

INTERTÍTULO: OUTRO LADO

A Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (Emdec) informou, em nota, a Administração Municipal é apoiadora dos modais de transporte que favorecem a mobilidade ativa e sustentável e acolhe as sugestões apresentadas pelas empresas operadoras. Em 2019, destaca o texto, além da entrega de novos trechos, foram revitalizadas ciclovias e ciclofaixas que já estavam implantadas em Barão Geraldo. A Unicamp informou, em nota, que recentemente foi aprovado um decreto para regulamentar o serviço na cidade e que seria importante o Município realizar campanhas educativas para a população sobre este tipo de transporte, seus riscos e seus benefícios.

BOX: ADESÃO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS É MAIOR

De acordo dados disponibilizados pela Grow, São José dos Campos, que tem aproximadamente 500 mil habitantes a menos que Campinas, registrou maior adesão aos serviços. Entre janeiro e agosto deste ano, os usuários do município do Vale do Paraíba percorreram, em média, 69 mil km por mês, ante 49 mil km contabilizados em Campinas. Já os usuários de Santos, que tem aproximadamente 434 mil habitantes, segundo a última estimativa populacional do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), rodaram 40 mil km por mês no mesmo período. A média da Capital totaliza 700 mil km por mês contemplando de agosto de 2018 (para bicicletas) e novembro de 2018 (para patinetes) a agosto de 2019. Analista de relações governamentais e institucionais da Grow no Brasil, Renata Greco afirma que a empresa está muito satisfeita com os resultados apresentados em Campinas. "Acreditamos que ainda existe grande potencial de adoção do modal também durante a semana e a expansão ou melhoria de infraestrutura pode contribuir para isso", analisou. Em Campinas, o desbloqueio do patinete custa R$ 3. Além da taxa, o usuário paga R$ 0,50 o minuto de uso. Para as bicicletas, a tarifa é de R$ 1,50 a cada 15 min.

NÚMERO

150

PONTOS

Privados aproximadamente existem em Campinas para retirada e devolução dos patinetes elétricos e bicicletas compartilhadas, segundo a Grow

FRASE

"O sistema de compartilhamento de bicicletas e patinetes tem papel relevante na mudança de paradigma necessária, tornando as cidades mais inteligentes, sustentáveis e humanas"

Renata Greco - Analista da Grow

Escrito por:

Daniel de Camargo