Publicado 08 de Dezembro de 2019 - 5h30

Prefeitura iniciou negociação com a Superintendência do Patrimônio da União (SPU) para a cessão de uma área de 28 mil metros quadrados do Ministério da Agricultura, na Rodovia Anhanguera, para a construção do Centro de Integração Animal, com a nova sede do Departamento de Proteção e Bem Estar Animal, do Centro de Recuperação de Animais Silvestres (Cras) e a Base do Samu Animal.

O secretário do Verde, Rogério Menezes, disse que espera poder licitar as obras a partir de março. O centro vai exigir R$ 4,5 milhões de investimentos.

Na quinta-feira, ele e o vice-prefeito Henrique Magalhães Teixeira estiveram com o superintendente Eduardo Barroso para solicitar a cessão e, segundo o secretário, saíram de lá com parecer favorável. O processo irá para Brasília, para aprovação e enquanto isso, o projeto executivo está sendo detalhado. Os recursos para a obra serão pleiteados ao Fundo de Recuperação, Manutenção e Preservação do Meio Ambiente (PROAMB).

O conjunto inclui a sede administrativa do departamento, um auditório para 90 pessoas, refeitório e vestiário para funcionários, centro cirúrgico para animais domésticos, laboratórios e banco genético. O projeto também engloba piquete, baias e tronco para equinos, suínos, bovinos, caprinos e similares, base do Samu Animal, área de quarentena para animais recém-chegados com capacidade para até cinco semanas de quarentena, 12 recintos para tratamento de cães, 12 recintos para maternidade de cães, 12 recintos de cães para adoção, quarentena para cães recém-chegados, áreas para tratamento, maternidade e adoção de gatos.

O Cras está previsto para ser implantado em planta com protocolos de biossegurança completos, área de visitação para acompanhamento de cirurgias, centro cirúrgico completo e independente, áreas para tratamento e guarda do animal até posterior encaminhamento e área para preparo de alimentação exclusiva dos animais silvestres. Haverá também recinto para aves.

A proposta inclui diretrizes ambientais, como reaproveitamento de água de chuva, água de reuso, geração de energia por fonte renovável (painéis fotovoltaicos), reciclagem de resíduos, aproveitamento de iluminação natural, minimização dos resíduos de obra.