Publicado 02 de Outubro de 2019 - 18h43

Por Adagoberto F. Baptista

Gilson Rei

Da Agência Anhanguera

[email protected]

Fotos: Wagner Souza e arte do Laert

46,5 mil

veículos por dia circulam, em média, pela Avenida John Boyd Dunlop, em toda a sua extensão.

Uma retroescavadeira furou um cano de gás na Avenida John Boyd Dunlop durante as obras do BRT (Bus Rapid Transit, transporte rápido por ônibus) do Campo Grande ontem, piorando ainda mais o trânsito caótico que os 400 mil habitantes das regiões do Campo Grande e Ouro Verde enfrentam todos os dias – desde o início das obras, em abril do ano passado.

O tubo de gás foi atingido por volta das 11h pela retroescavadeira na região da antiga Cerâmica V8, no Jardim Nova Esperança, e uma fila quilométrica de veículos formou congestionamento no trânsito, que estendeu-se por 7 km no sentido Centro e mais 7 km no sentido bairro. O cheiro forte de gás foi constatado pelas pessoas no entorno da avenida.

As duas pistas da avenida John Boyd Dunlop ficaram fechadas impedindo a circulação de veículos nos dois sentidos entre o Jardim Nova Esperança até a fábrica da Pirelli, totalizando um trecho de 3 km entrecinco bairros: Princesa dOeste; Jardim Rossin; Jardim Florence 2; Jardim Florence; e Satélite Iris.

Os motoristas ficaram parados pelo menos duas horas debaixo de uma temperatura de 28 graus, entre 11h às 13h. Pedestres que estavam nos ônibus decidiram descer e caminhar até o seu destino para não perder o horário de seus compromissos.

Jeferson Oliveira, que reside no Jardim Nova Esperança e estava no transporte coletivo, decidiu descer e caminhar até o Shopping das Bandeiras, onde trabalha como vendedor. “Vou ter que caminhar porque não tem previsão de quando o trânsito vai começar a fluir. Não posso perder meu emprego”, afirmou correndo.

O mecânico Alexandre Vieira, que trabalha na região, disse que ficou parado dentro de seu veículo das 11h às 13h. “O pior foi o calor infernal sem saber quando conseguiria sair. Perdi uma entrevista de emprego e agora vou ter que voltar para casa sem perspectiva. Perdi uma chance de trabalho e perdi o dia a toa”, reclamou.

O acidente foi causado por um funcionário da empresa contratada para as obras do BRT, mas a Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (Emdec) informou, através de nota, apenas que “a Divisão de Controle Operacional foi acionada por volta das 11h30 e que agentes de trânsito foram deslocados para a avenida e realizar as interdições viárias necessárias”. A Defesa Civil e o Corpo de Bombeiros foram também acionados para auxiliar na ocorrência.

A Companhia de Gás de São Paulo (Comgás) – que detém a tubulação de gás na região - recebeu a informação do acidente às 11h08, chegou ao local às 12h e conseguiu solucionar a emergência por volta do 12h30. Segundo a empresa, não houve risco de explosão e o gás natural que foi liberado no ar dissipou rapidamente na atmosfera porque é um gás mais leve.

As obras do sistema BRT tiveram início em abril de 2018 e a entrega dos corredores está prevista para o primeiro semestre de 2020.

Escrito por:

Adagoberto F. Baptista