Publicado 01 de Outubro de 2019 - 16h52

Por Paulo César Dutra Santana

Com previsão de calor intenso e expectativa de temperatura girando em torno dos 35º, sábado, às 11h, em Ribeirão Preto, a Ponte Preta começou a se adaptar ao horário do confronto com o Botafogo-SP, válido pela 26ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro. O duelo é considerado "chave" para colar novamente no G4, o técnico Gilson Kleina está se cercando de todos os cuidados para ter o time com força máxima.

Desde ontem e até sexta-feira, o time irá treinar sempre no final da manhã. “No calor, com certeza, o jogo é mais desgastante e cansativo. Mas o atleta de alto nível está preparado para o horário que for. Se estivermos focados, o horário não vai atrapalhar nada”, disse o atacante Vico, que marcou dois gols na vitória por 3 a 0 sobre o Cuiabá, no sábado.

O zagueiro Reginaldo, que nasceu em Barretos, cidade próxima de Ribeirão, o calor chega a incomodar quem não é acostumado. “Para mim, que sou natural da região, não vou sentir muito. Mas o calor é forte e pode atrapalhar sim. Temos que manter a hidratação e saber dosar a força”, ensina.

Este será o segundo jogo da Macaca neste horário alternativo. No primeiro, diante do Guarani, venceu o Dérbi de 11 de agosto, com vitória por 1 a 0, gol de Matheus Vargas. “Estamos trabalhando firme para corrigir os erros e ir com tudo para mais uma batalha. É um clássico regional contra um concorrente direto que também briga lá em cima”, ressalta Vico, que foi bastante elogiado por Kleina.

Base

Descontente com o desempenho do sub-20 nos campeonatos Paulista e Brasileiro, a diretoria da Macaca fez uma ampla faxina no elenco. Mandou 15 jogadores embora e contratou sete promessas. Entre elas, o meia Miguel Palacios, que estava no Jorge Wilstermann, da Bolívia.

Assim como ele, todos os outros contratados vieram com contrato de parceria assinado pelo clube com empresários e procuradores. São eles, Yan (lateral, Coritiba), Alex Girolli (meia, Coritiba), João Veras (atacante, XV de Piracicaba), Bryan ( volante, Chapecoense), Sandro (lateral, Santos), Gabriel e (atacante, São Bernardo).

Nos primeiros seis meses deste ano, a Macaca vendeu sete atletas (Yago, Xavier, Abner, Matheus Alexandre, Walysson, John Kleber e Julinho) e dois (Vinicius Zanocelo e Camilo) foram promovidos ao time principal. (Paulo Santana/AAN)

Escrito por:

Paulo César Dutra Santana