Publicado 03 de Outubro de 2019 - 5h30

O prefeito de Campinas, Jonas Donizette (PSB), assinou um decreto na tarde de ontem que prevê o incentivo para criação de novas cervejarias artesanais na cidade. A mudança altera a regulamentação da Lei de Uso e Ocupação de Solo e autoriza a instalação dessas empresas em qualquer ponto da cidade. Antigamente, elas só podiam abrir seus negócios na área industrial do município, porque estavam classificadas como atividades de média incomodidade.

Agora, com a assinatura do novo decreto, as microcervejarias deixarão de ser comparadas com as grandes indústrias e passarão a ser classificadas como de baixa incomodidade, o que dará a elas o direito de se fixarem nas ruas e avenidas de Campinas. A expectativa é de que ao menos dez novas cervejarias do ramo sejam abertas ainda este ano. “O decreto vale apenas para cervejarias artesanais e, qualquer outra coisa que fuja dessa classificarão, não vale”, explica Jonas.

De acordo com o prefeito, a mudança promovida pelo novo decreto tem o objetivo de movimentar o setor e incentivar mais empresas a abrirem cervejarias artesanais em diversos pontos da cidade para atender o mercado consumidor. A medida, segundo ele, ainda fomentará a economia, o desenvolvimento social e o turismo no município. “Acredito que esse decreto vai incentivar ainda mais a instalação de novos empreendimentos e gerar muitos postos de trabalho, impactando positivamente o mercado de trabalho na cidade”, avalia.

Expansão

Segundo dados do Ministério da Agricultura, o número de microcervejarias no País saltou de 280 em 2013 para mais de mil em 2019. O Estado de São Paulo é o segundo maior reduto de cervejarias do Brasil, atrás apenas do Rio Grande do Sul. Na edição do dia 11 de agosto, uma reportagem do Correio Popular aprontou que, pelo menos, dez cervejarias artesanais foram criadas na Região Metropolitana de Campinas (RMC) nos últimos três anos, sendo quatro delas somente em Campinas.

Segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), o setor representa hoje cerca 2,5% do mercado total de cervejas, além de ser responsável por gerar 12% dos empregos diretos do setor. Informações da Associação Brasileira de Cerveja Artesanal (Abracerva), ainda dão conta de que o ramo cresceu 91% nos últimos três anos, com abertura de 600 novas cervejarias em todo o território nacional.