Publicado 01 de Outubro de 2019 - 12h31

Por AFP

A mulher parisiense da década de 1960 voltou com força nesta terça-feira no desfile da Chanel, marcado pela invasão de uma youtuber que escorregou entre as modelos e foi levada pela top model Gigi Hadid para fora da passarela.

Nos telhados típicos de Paris, recriados para a ocasião no museu do Grand Palais de Paris, as modelos saíram como de costume ao final do desfile para apresentar novamente a coleção.

Foi quando uma mulher entre o público - identificada como a humorista francesa Marie Benoliel - correu pela passarela vestindo uma jaqueta de tweed, botas, chapéu e bolsa, e começou a desfilar com as mãos na cintura.

As modelos que estavam atrás continuaram andando imperturbáveis.

A intrusa percorreu boa parte da passarela e, finalmente, foi a top americana Gigi Hadid, que participava do desfile, que ordenou e a conduziu para fora da pista.

Embora poucos convidados entre o público parecessem perceber a situação, já que a maioria estava gravando o desfile com seus celulares, Vanessa Friedman, crítica de moda do New York Times, postou as imagens em sua conta do Twitter.

"Não foi premeditado", disse à AFP uma porta-voz da Chanel, mas "não faremos um drama sobre isso".

Ela explicou que a mulher foi "escoltada mais tarde até a saída pelo pessoal da segurança".

De acordo com um vídeo no canal no YouTube de Benoliel, também conhecida como Marie S"Infiltre (Marie se infiltra), a comediante já havia se infiltrado na semana passada no desfile da marca de lingerie Etam.

"Em comparação, o desfile da Etam não foi nada", escreveu Benoliel no Instagram, junto com a notícia de sua invasão à Chanel.

Entre os convidados dos desfiles de moda da Chanel costumam haver estrelas, líderes empresariais e críticos de moda conhecidos. Para entrar, é preciso de um convite e um cartão de identidade.

Neste desfile, figuravam entre os convidados na plateia a rapper americana Cardi B, a estrela de K-Pop Jennie e a editora da Vogue Anna Wintour.

A próxima coleção primavera-verão apresentada pela diretora artística Virginie Viard foi marcada pela nostalgia da parisiense da década de 1960.

Viard, que assumiu o comando da empresa após a morte de Karl Lagerfeld em fevereiro passado, optou por apresentar mil e uma versões da clássica jaqueta de tweed, querendo imprimir um estilo sofisticado e feminino.

Escrito por:

AFP