Publicado 30 de Setembro de 2019 - 15h08

Por Fábio de Mello

Porção de linguiça acebolada, com queijo meia cura gratinado, farofa, alho e melado de cana, de autoria de Thiago

Fábio de Mello/AAN

Porção de linguiça acebolada, com queijo meia cura gratinado, farofa, alho e melado de cana, de autoria de Thiago

Estava ao lado do Bosque dos Jequitibás, com o meu parceiro Thiago, em busca de um canto confortável para uma prosa e uma gelada, quando me lembrei de um boteco muito bem recomendado por amigos, mas que, por obra do acaso, nunca havia conferido.

O Botequim da Zepha existe desde 2012 e seu nome homenageia a falecida Dona Josepha, que tinha um bazar no mesmo local, na subida da Rua Uruguaiana, do lado esquerdo. O cardápio é enxuto, mas muito bem elaborado pelos irmãos Rodrigo e Thiago, que buscam e pesquisam sua matéria-prima de fornecedores locais escolhidos a dedo.

Os pratos e porções da casa seguem uma tradição interessante. Todos passam pela lousa de sugestões antes de serem adicionados permanentemente ao menu. No momento, os itens que estão para aprovação são o lanche de costela (fornecida por um produtor da cidade de Socorro, preparado na cerveja stout, com vinagrete, provolone e gorgonzola) e a porção de linguiça caseira acebolada, com queijo meia cura gratinado, farofa, alho e melado de cana, que provei e aprovei com louvor. Também são servidos lanches tipo “buraco-quente”, na baguete, recheados de cordão de filé-mignon ou pernil.

Recomendo a iguaria mais tradicional do bar: a punhetela (bacalhau desfiado com azeitonas e cheiro verde), baseado numa clássica receita portuguesa. Para acompanhar, sugiro ao caro leitor as deliciosas caipirinhas de limão ou abacaxi, adoçadas com melado, que vêm com um pedaço da própria cana-de-açúcar como mexedor ou até uma das várias opções de cervejas artesanais de produtores da região. Saúde!

ONDE 

Botequim do Zepha

Rua Uruguaiana, 1266, Bosque – Campinas. Aberto de segunda a sexta-feira, das 17h às 23h e sábado, das 15h às 23h.

Escrito por:

Fábio de Mello