Publicado 07 de Setembro de 2019 - 11h29

Por AFP

A Ucrânia e a Rússia realizaram neste sábado uma troca de dezenas de prisioneiros, a primeira dessa proporção entre os dois países desde o início da crise em 2014.

Segundo uma fonte do governo ucraniano, são 70 prisioneiros, trinta e cinco de cada lado.

A televisão estatal russa transmitiu imagens de ônibus saindo da prisão de Lefortovo em Moscou pouco antes e anunciou que eles haviam chegado ao aeroporto.

O avião que transportava os ucranianos pousou no sábado no principal aeroporto de Kiev, onde dezenas de amigos íntimos e o presidente, Volodimir Zelenski, os encontraram na pista.

Essa troca de prisioneiros entre a Ucrânia e a Rússia é um primeiro passo para o fim da guerra com os separatistas pró-russos, disse o presidente Zelenski.

"Devemos dar os demais passos para acabar com essa guerra horrível", que causou cerca de 13.000 mortes em cinco anos, disse ele depois de receber pessoalmente os 35 prisioneiros ucranianos no aeroporto de Kiev.

Os Estados Unidos, por sua vez, saudaram o intercâmbio de prisioneiros e expressaram esperanças de que a ação signifique o início de um novo relacionamento para a resolução do conflito entre os dois países vizinhos.

"Talvez seja o primeiro passo de um gigante em direção à paz", disse Donald Trump no Twitter. "Boas notícias".

"Estou muito satisfeito em ver os marinheiros ucranianos voltarem para suas casas e a troca de prisioneiros Ucrânia-Rússia", escreveu, por sua vez, o enviado especial de Washington para a Ucrânia, Kurt Volker.

"Espero que ajude a gerar impulso para novos intercâmbios de prisioneiros, um cessar-fogo renovado e progresso em direção à plena implementação [do acordo de paz de Minsk]", acrescentou.

Na Rússia, a televisão estatal mostrou os detidos russos saindo do avião no aeroporto de Vnukovo, em Moscou.

Entre eles, o cineasta ucraniano Oleg Sentsov, 43 anos, o mais famoso dos prisioneiros trocados, havia sido preso na Crimeia em 2014 depois de protestar contra a anexação russa desta península ucraniana.

Ele foi condenado a 20 anos de prisão em uma região do Ártico russo pela preparação de "ataques terroristas".

Em 2018, realizou uma greve de fome de 145 dias que provocou inúmeros sinais de apoio, especialmente no festival de cinema de Cannes.

Escrito por:

AFP