Publicado 17 de Maio de 2019 - 16h49

Por Adagoberto F. Baptista

Alenita Ramirez

[email protected]

Captura de imagens

Um homem surtou após um encontro com uma garota em uma balada, arrancou a roupa e agrediu a paquera. O fato aconteceu em plena Rua Maria Monteiro, esquina com a Sampainho, no bairro Cambuí, na madrugada da última quarta-feira (15) e foi registrado por câmaras de celulares e de segurança da via. As imagens circulam nas redes sociais e causaram revolta e indignação. Ele chegou a correr pelado por algumas ruas do bairro e foi detido por um segurança de um bar nas imediações. Não se sabe o que aconteceu com a moça.

A agressão aconteceu por volta das 2h. Segundo testemunhas, o rapaz estava alterado, supostamente por uso excessivo de drogas. O casal estava em uma balada localizada na mesma quadra. Os dois teriam se conhecido no local, mas em dado momento a moça quis deixar a boate e ligou para um amigo buscá-la. Ao sair, ela foi perseguida pelo homem, que foi arrancando a roupa.

Enquanto esperava o amigo, na esquina das Ruas Maria Monteiro com Sampainho, o homem fica pelado e chega a dançar para a moça, que tenta conversar com ele, mas o surtado parte para cima da vítima e a agride. Logo chega o amigo, que também é atacado pelo homem. Os dois chegam a ir para o meio da via. Ao se desvencilhar, o amigo volta até a jovem e a puxa do chão.

O homem volta a atacar a moça e, em dado momento da briga, ele arrasta a moça pelo cabelo. Um carro com sirene passa pelo local e assusta o homem que, segundo testemunhas, sai correndo pelado pelas ruas. Ele só para após entrar em um bar há algumas quadras do local dos fatos e é detido por seguranças.

As testemunhas afirmam que foi chamada a Guarda Municipal (GM), mas a corporação não deu retorno até o fechamento desta edição. Também não foi localizado registro de ocorrência no plantão da Polícia Civil, no 1º Distrito Policial (DP) e nem no 13º DP, no bairro Cambuí, onde aconteceu o caso.

Representantes do bar onde a detenção do homem aconteceu foram procurados para comentar o caso, mas não deram retorno até fechamento desta edição.

Escrito por:

Adagoberto F. Baptista