Publicado 23 de Maio de 2019 - 5h30

A FCA Fiat Chrysler vai investir R$ 500 milhões em uma nova fábrica de motores que serão produzidos no complexo do grupo em Betim (MG) a partir do próximo ano. Os novos propulsores, com configuração inédita, terão tecnologia turbo flex em versões 1.0 e 1 3. Em relação aos equipamentos convencionais, são mais eficientes e de 7% a 8% mais econômicos. A nova linha será instalada ao lado do prédio onde já funciona a fábrica de motores aspirados e vai gerar 1,2 mil empregos diretos e indiretos. A linha de montagem terá alto grau de automação e vai operar com máquinas dotadas de inteligência artificial. O anúncio do projeto foi feito na tarde de ontem na fábrica de Betim pelo presidente mundial da FCA, Mike Manley, em sua primeira visita ao Brasil após assumir o cargo no ano passado, depois da morte do então presidente Sergio Marchionne. “Esse investimento faz parte de um plano maior da companhia que vai até 2024 e que prevê um total de 25 lançamentos de veículos nesse período”, afirmou Manley. Entre os novos modelos estão previstos dois utilitários esportivos (SUVs) da marca Fiat.

O investimento está inserido no plano de R$ 16 bilhões previstos pelo grupo para o Brasil para o período entre 2018 e 2024. Quando anunciou o plano, no ano passado, o presidente da FCA para a América Latina, Antonio Filosa, informou que seriam R$ 14 bilhões até 2023, mas houve mudanças: além dos R$ 500 milhões extras, o período de aplicação foi ampliado em um ano e inclui alterações cambiais. Dos R$ 16 bilhões,

R$ 8,5 bilhões estão sendo investidos na fábrica de Betim. O restante irá para a fábrica de Goiana (PE), onde são produzidos os modelos Jeep (Renegade e Compass) e a picape Toro. Segundo Manley, boa parte dos novos motores feitos no Brasil será exportada para a Europa. Hoje, a FCA produz esse tipo de propulsor apenas na China e na Polônia. A capacidade da linha brasileira inicialmente será de 100 mil unidades ao ano. (Estadão Conteúdo)