Publicado 23 de Maio de 2019 - 5h30

As multas de trânsito aplicadas ao longo do ano passado pela Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (Emdec) representaram aproximadamente R$ 95 milhões (R$ 94.680.248,21) para os cofres públicos do município, de acordo com o balanço anual divulgado pela Emdec. Trata-se do maior volume de dinheiro já arrecadado pela companhia em um único exercício. O recorde anterior pertencia a 2017, quando o valor bruto totalizou cerca de R$ 90 milhões.

A arrecadação computada no ano passado representa ainda quase um quinto (18%) de todo o montante recebido pela empresa nos últimos oito anos com multas. Entre 2010 e 2018, foram 525,5 milhões arrecadados — só na administração de Carlos José Barreiro (entre 2014 e 2018) o valor ultrapassou a barreira dos R$ 345 milhões.

Trata-se de um volume muito maior do que os R$ 175,5 milhões obtidos pelos demais governos anteriores, entre os anos de 2010 a 2013, quando a empresa foi comandada por cinco presidentes diferentes: Sérgio Benassi, André Aranha Ribeiro, Wilson Folgozi de Brito, Sérgio Marasco Torrecillas e Gerson Luis Bittencourt.

Menos multas

Ao longo do ano passado, foram 503.394 penalidades aplicadas em Campinas. Deste total, 375.403 (74,6%) delas foram oriundas de fiscalização eletrônica (radares); enquanto outras 127.991 (25,43%) foram emitidas de forma manual por meio dos agentes de mobilidade urbana (amarelinhos). Comparando 2018 com 2017, ocorreu uma queda de 12,66% no total de multas aplicadas no município, já que no ano retrasado foram 576.336 autuações computadas nos registros da companhia.

De acordo com o secretário de Transportes e presidente da Emdec, Carlos José Barreiro, a queda no número de multas aplicadas é um motivo de comemoração. “Ficamos felizes com isso, porque significa que os motoristas estão respeitando mais as Leis de Trânsito e as campanhas educativas surtem efeito. Essa situação também reflete na queda dos índices de acidentalidade, no município”, destacou. O aumento na arrecadação mesmo com a queda de multas se deve em razão do aumento no valor das infrações.

Frota maior

A frota de veículos licenciados em Campinas, em 2018, foi de 934.275. Comparando 2018 com 2017, houve um acréscimo de 1,92%; e 2018 com 2016, variação de 3,54%. Os dados de frota veicular são fornecidos pelo Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo (Detran/SP), tendo como referência o fechamento de dezembro de cada ano.

Segundo Barreiro, a relação de veículo por habitante do município é uma das mais altas do País. “Considerando os veículos que circulam por Campinas, vindos de outras localidades, chegamos a relação de 1 por 1; ou seja, um veículo para cada habitante. É uma taxa de motorização extremamente alta, comparada ao Estado da Califórnia, nos EUA, local com forte atividade industrial. E os problemas causados por uma alta taxa de motorização são muitos”, afirmou o secretário.

Investimentos

Dentro das determinações que estão previstas no artigo 320 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB) e na Resolução N 638/2016 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), a empresa aplicou parte dos recursos em ações e projetos nas áreas de educação, engenharia, fiscalização, sinalização, planejamento e controle do trânsito. Para educação de trânsito foram destinados cerca de R$ 1,3 milhão, em 2018, enquanto os investimentos em fiscalização e em sinalização totalizaram aproximadamente R$ 41 milhões e R$ 17 milhões, respectivamente.