Publicado 23 de Maio de 2019 - 12h02

Por Paulo Santana

 Torcida Ponte Preta

Cedoc/RAC

Torcida Ponte Preta

Em mais um capítulo do dramalhão envolvendo a atual diretoria executiva e o grupo — agora de oposição — liderado pelo presidente de honra Sergio Carnielli, o tema da vez é a Arena Ponte Preta. A ideia revelada em 2008 como grande projeto do antigo mandatário já foi alvo de muitas discussões e alterações. Agora, se tornou ponto de um racha total e aparentemente definitivo por questões pessoais e, até certo ponto, vaidades íntimas.

A origem da briga começou quando Carnielli e seus parceiros convocaram uma reunião para apresentar detalhes do sonho, que custaria em torno de R$ 110 milhões e seria erguido onde hoje está o CT do Jardim Eulina. A arena prevê arquibancadas para 30 mil pessoas, espaços para shows e eventos, estabelecimentos comerciais e 2.500 vagas de estacionamento, entre outros.

Durante a reunião, que aconteceu na última segunda-feira sem representantes da diretoria atual, o conselheiro Pedro Marciel apresentou detalhes do projeto. Em entrevista ao portal Ponte News, disse que em uma estimativa conservadora, a arena poderá colocar a Macaca em um novo patamar financeiro. E destacou: "No modelo apresentado, que ainda é preliminar, não envolve endividamento da Ponte Preta. Os investidores serão responsáveis totalmente pelos riscos no investimento", ressaltou Marciel.

A Macaca, que não respondeu aos pedidos para entrevista com o presidente José Armando Abdalla Junior, se posicionou apenas por meio de uma carta encaminhada ao Conselho Deliberativo na segunda-feira. Ontem, fez publicar no Correio Popular, uma resolução destacando que todo assunto relacionado à Arena deve ser apreciado pelo CD.

No mesmo documento, destacou que "ninguém pode assinar ou assumir qualquer procedimento a respeito do tema, que é de exclusividade dos conselheiros". Este posicionamento, ressalta a nota, vai ao encontro do que determina o Regimento Interno do clube.

Com relação ao time, o técnico Jorginho poderá contar com o atacante Roger, que teve a rescisão com o Ceará publicada pela CBF e o novo contrato com a Macaca já foi registrado. Assim, o experiente jogador poderá formar o ataque com Facundo Batista na partida de sábado, às 16h30, no Moisés Lucarelli, pela quinta rodada da Série B do Brasileiro. A promoção de ingressos continua. O preço para a arquibancada é R$ 10,00 (inteira) e R$ 5,00 (a meia).

Escrito por:

Paulo Santana