Publicado 05 de Abril de 2019 - 19h05

Istambul, Paris, Copenhagen e Coimbra são apenas algumas das cidades europeias por onde a banda brasileira Aláfia passou com a turnê de seu último disco, São Paulo Não É Sopa (2017). Em Helsinki, o grupo participou do World Village Festival, pondo uma multidão para dançar os ritmos afro-brasileiros da banda.

Agora, a Aláfia se prepara para lançar um novo álbum e, para isso, promove um reencontro com o público brasileiro. A banda vai abrir os trabalhos desse novo projeto já neste domingo, como uma das atrações do festival Lollapalooza, em São Paulo. Depois disso, vem o novo disco e uma turnê pelo País.

Para o grupo, por mais que a banda tenha uma grande experiência em festivais internacionais, a experiência de tocar no Lollapalooza para o público brasileiro vai ser especial. "Embora a música seja uma linguagem universal, que sensibiliza apesar da língua falada, nosso trabalho é um trabalho de canções", explica Eduardo Brechó, que atua nos vocais e na guitarra do Aláfia.

"Nossas letras têm um fundamento muito importante no que fazemos e a atual conjuntura do Brasil nos estimula a espalhar nossa mensagem para o público brasileiro", ele continua. "Além disso, a familiaridade rítmica cria um ambiente muito propício à catarse coletiva e isso, evidentemente, inclui a banda."

O grupo se apresenta no início do último dia de festival, no mesmo palco onde, mais tarde, faz show o rapper americano Kendrick Lamar. "Quando fomos a primeira vez no programa Cultura Livre, da TV Cultura, e a apresentadora Roberta Martinelli nos pediu para levar um disco de vinil que fosse importante pra nós, eu levei o Good Kid, Maad City do Kendrick Lamar", relembra Brechó. "Era o disco que eu mais ouvia na ocasião e que me tinha sido apresentado pelo KLJay. Desde então, acompanhamos de perto a obra dele. Para nós, é uma grande honra este presente do destino comungar da vibração de pessoas que nos inspiram."

No show do Lollapalooza, o Aláfia vai apresentar uma nova música, Canção Pra Nós. "Fala de esperança. É mais um manifesto afetivo. Uma vontade de se manter altivo e produtivo a despeito das adversidades", diz o músico. "Ela vem numa roupagem que consegue ao mesmo tempo ser solar e boa pras noites de festa. É uma canção que propõe leveza."

O grupo promete lançar o novo disco dentro de poucos meses. A ideia é continuar mergulhado nos ritmos afro-brasileiros, em especial o sambasoul. "O lançamento do disco novo vem daqui alguns meses. Não muitos", promete Brechó. "O disco está sendo feito com o cuidado de sempre, muito imerso na linguagem do sambasoul, que para nós é um grande tesouro da música brasileira e que hoje temos mais maturidade para tocar."

Só após lançar o novo disco, o grupo deve fazer uma turnê pelo País. "Nos shows que antecedem este lançamento, incluiremos algumas inéditas que já estão melhores ensaiadas", promete a banda. Por enquanto, voltar ao exterior não está nos planos imediatos. "Agora, estamos muito voltados à realidade do Brasil e querendo tocar por aqui." (Do Estadão Conteúdo)