Publicado 17 de Abril de 2019 - 21h30

Por AFP

Um acidente com um ônibus na ilha da Madeira matou 29 turistas alemães, informaram nesta quarta-feira as autoridades portuguesas, em seu último boletim sobre a tragédia.O prefeito da comuna de Santa Cruz, Filipe Souza, havia informado a morte de 17 mulheres e 11 homens no acidente, mas um dos feridos - uma mulher - faleceu posteriormente no hospital. O presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, revelou que todas as vítimas eram alemãs."Manifesto a tristeza e a solidariedade de todos os portugueses neste momento trágico, e o pesar a todas as pessoas próximas às vítimas, que segundo me informaram, são todas alemãs", declarou o presidente à TV estatal RTP.Marcelo Rebelo de Sousa disse que irá ao local do acidente ainda esta noite.A TV informou que o ônibus saiu da estrada e capotou várias vezes. O acidente ocorreu às 18H30 local (14H30 Brasília), segundo Filipe Sousa.Por razões ainda desconhecidas, o motorista do ônibus perdeu o controle do veículo, que saiu da pista e caiu sobre uma casa construída à margem da estrada.O primeiro-ministro português, António Costa, revelou no Twitter ter entrado em contato com a chanceler alemã, Angela Merkel."Foi com profundo pesar que tive conhecimento do trágico acidente ocorrido na Madeira", lamentou o chefe de governo socialista. "Em nome do governo português, apresento minhas mais sentidas condolências a todas as pessoas afetadas. Também tive a oportunidade de transmitir todo o meu pesar à chanceler Angela Merkel por estes momentos difíceis".Equipes de legistas devem ser deslocadas para Funchal no intuito de auxiliar as autoridades da ilha na identificação das vítimas.Situada a cerca de 500 km da costa do Marrocos, a Ilha da Madeira atrai a cada ano milhares de turistas estrangeiros, principalmente britânicos e alemães.O arquipélago, formado pelas ilhas de Madeira e Porto Santo, tem 270 mil habitantes, e mais de 130 mil vivem em Funchal, a capital regional, cuja costa está totalmente urbanizada com hotéis de luxo e complexos turísticos.

Escrito por:

AFP