Publicado 05 de Abril de 2019 - 19h00

Por AFP

O governo italiano estabeleceu que se volte a usar as palavras "pai" e "mãe" nos formulários para obter o documento de identidade, em vez das denominações "progenitor1" e "progenitor2", o que foi criticado pelas associações de defesa dos direitos dos homossexuais."Restauramos o bom senso", comentou o ministro de direita Matteo Salvini, vice-primeiro-ministro, que havia prometido mudar a denominação, introduzida em 2015 pelo governo de centro-esquerda, em nome da família tradicional.O decreto entrou em vigor na quinta-feira, após sua publicação no Diário Oficial.O responsável pela proteção dos dados privados e a associação de prefeitos italianos condenaram a iniciativa conservadora.As associações de defesa dos direitos dos homossexuais e personalidades do Movimento 5 Estrelas, aliado do governo, também denunciaram a medida como "discriminatória"."Trata-se de um decreto injusto, cujo único propósito é discriminar as crianças que foram reconhecidas pelos tribunais como filhos de casais homossexuais", lamentou Fabrizio Marrazzo, porta-voz do Centro Gay. Tanto as associações como o sindicato CGIL anunciaram que apresentarão recurso aos tribunais administrativos.A lei italiana não permite explicitamente que uma criança tenha dois pais ou duas mães, mas alguns casais obtiveram essa possibilidade ao transpor a filiação estabelecida no exterior ou por meio da adoção pelo pai não biológico.bur-kv/db

Escrito por:

AFP