Publicado 18 de Abril de 2019 - 12h27

Por Mary Jane A. Paiva

Como o desejo pela simplicidade nos dá esperanças de pessoas e tempos melhores

Viver com simplicidade é uma opção que só se torna possível para quem é dono do seu próprio nariz e tem responsabilidade sobre sua vida e sua felicidade.

Na sociedade moderna é um grande desafio, vivemos um sistema de consumo feroz.

A tendência que surge é a de se encontrar uma vida mais simples, com menos consumo, onde a qualidade de vida e equilíbrio, o mínimo impacto ambiental são os valores mais exaltados. As pessoas estão questionando os valores atribuídos ao materialismo e a sua posição de refém do "ter" para poder "ser alguém".

O desejo é por mais tempo livre, contato e convivência consigo mesmo, com a família e amigos, com a natureza que está sendo saqueada pela evolução. Some a isso a possibilidade de olhar para si e para o mundo ao seu redor, se auto-aceitar e se auto-acolher. E a procura por maior expansão da espiritualidade, do autoconhecimento e do senso de comunidade.

Acontece entre os mais atentos um movimento contrário ao pregado pela mídia (incluindo as mídias sociais), onde é o consumo, o supérfluo e o sofisticado são valorizados. Em que tudo é tão descartável, e as convivências são tão virtuais e efêmeras.

Há esperança! O ser simples está se formando e ganhando espaço. É um ser rico sem fissura por adquirir bens materiais ou excessos. É um ser resolvido. Porque o ser complicado e insatisfeito é um bom consumista de matérias e afins, carente de atenção, afeto e reconhecimento, dono de um vazio a ser preenchido por... consumo.

Ser simples é ter uma consciência mais profunda do que traz prazer, alegria e felicidade na sua vida. Simples assim.

Escrito por:

Mary Jane A. Paiva