Publicado 27 de Março de 2019 - 19h40

O presidente Jair Bolsonaro voltou a dizer hoje (27) que não tem problema na relação com o Congresso Nacional e afirmou que não tem como atender a todos os parlamentares e políticos que lhe pedem audiência. 

"Eu não tenho como atender a todo mundo. E não existe [no meu governo] ministro indicado por partidos políticos e isso agrava, num primerio momento, o contato, a aproximação", disse ao jornalista José Luiz Datena, durante entrevista exibida pela TV Bandeirantes. 

Citando o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, Jair Bolsonaro reafirmou que não há divergência e um novo encontro entre os dois deve ocorrer na semana que vem, quando retornar de visita oficial a Israel. 

"Na volta de Israel, com toda certeza a gente vai se encontrar. Da minha parte, a minha mão está sempre estendida para ele", ressaltou. Questionado sobre a dificuldade na articulação política com o Parlamento, o presidente disse que fazem "tempestade em copo d'água" e defendeu a forma de construção de seu governo, que evitou indicações políticas para o primeiro escalão ministerial.

"Fazem tempestade em copo d'água. O meu erro foi escolher um ministério técnico, competente e independente, esse foi o erro que eu cometi na política", disse.  

Para Bolsonaro, a responsabilidade com o país está nas mãos e todos os Poderes e cobrou apoio para aprovação da reforma da Previdência no Congresso Nacional. "O que eu apelo aos parlamentares do Brasil todo. Ninguém está aprovando a reforma do presidente ou do meu governo, está aprovando a reforma do Brasil."

Anticrime

O presidente da República citou o impasse, na semana passada, em torno da tramitação do pacote anticrime proposto pelo ministro da Justiça e Cidadania, Sergio Moro. Por decisão do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, a matéria será previamente analisada por uma comissão de deputados antes de tramitar regularmente no Parlamento. 

"Vamos arredondar, [são] 500 deputados, 10% vai ficar envolvido nas próximas três semanas, na Comissão de Constituição e Justiça, tratando da constitucionalidade [da proposta de reforma da Previdência]. Quando sair de lá, mais ou menos 10% ou 15% da Câmara vai ficar discutindo, por aproximadamente dois meses, em comissão especial. Onde fica o restante, os 80% da Câmara, vai ficar de papo pro ar? Nós gostaríamos, acho que o povo todo gostaria que o pacote anticrime do Sergio Moro fosse discutido", afirmou o presidente. 

Embaixada em Jerusalém

A três dias de embarcar para Israel, onde cumpre visita oficial, Jair Bolsonaro disse cabe ao governo israelense a definição de qual é a capital do país e o Brasil respeita essa decisão, ao tratar da intenção de transferir a embaixada brasileira. O presidente não quis adiantar, no entanto, quando deve realizar essa mudança. 

"Falam na possível questão da mudança da embaixada de Tel Aviv para Jerusalém. É possível sim, estamos estudando. O Trump [Donald Trump, presidente dos Estados Unidos] quando prometeu isso e levou oito meses para botar em execução. Nós temos conversado com gente do mundo todo no tocante à isso daí. Há um clamor aqui dentro, por parte de setores da sociedade, que querem isso aí", disse.