Publicado 20 de Fevereiro de 2019 - 15h32

Por Adagoberto F. Baptista

Alenita Ramirez

[email protected]

Foto: Divulgação

Uma aposentada de 58 anos usava diazepam no suco para dopar e roubar idosos, em Campinas. A tática foi descoberta pela Polícia Civil, após duas vítimas registrarem boletim de ocorrência no 1º Distrito Policial (DP), em janeiro deste ano. Sônia Auxiliadora Oliveira dos Santos foi presa temporariamente, por cinco dias, na manhã desta quarta-feira (20), com base em pedido de prisão, busca e apreensão. No total, ela roubou ao menos R$ 13 mil das vítimas. A mulher não tem passagem criminal, mas é citada em ocorrência semelhante, em 2016, em Indaiatuba.

Os policiais identificaram a suspeita após uma vítima relatar que foi com a mulher em um bar. Sônia agia nas proximidades da rodoviária, no bairro Botafogo. As duas vítimas foram abordadas pela aposentada quando estavam no Terminal Metropolitano. Em um dos casos, a mulher se aproximou de um idoso de 76 anos no ponto de embarque e desembarque e o convidou para tomar um suco em um bar nas proximidades. O idoso acabou se cedendo e acompanhou a mulher, descrita como simples e que se apresentava como conhecida. Já no bar, os dois se sentaram em bancos no entorno do balcão e fizeram o pedido. Em dado momento, a mulher pegou algo e colocou no suco da vítima. Toda a ação foi registrada pelo sistema de segurança do estabelecimento. “O delegado José Gattaz Neto pediu as imagens do estabelecimento e conseguiu descobrir quem era a mulher. Com base na imagem, os investigadores pediram ajuda da Guarda Municipal, que atua na rodoviária. Um dos guardas chegou a dizer que já tinha visto a suspeita no local. Em um final de semana, os guardas viram a suspeita e a abordaram. Como não acharam nada com ela, eles pegaram os dados dela”, contou o delegado titular do 1º DP, Hamilton Caviolla Júnior.

Uma das vítimas chegou a fazer um retrato falado da mulher para apresentar à polícia. O material foi anexado ao processo. As vítimas ficavam dopadas e uma delas chegou a ser hospitalizada devido à quantidade de remédio usado pela suspeita, segundo Caviolla.

Após dopar os alvos, a aposentada seguia com eles para bancos e comércios, onde sacava dinheiro e fazia compras. Uma das vítimas, a mulher conseguiu roubar R$ 10 mil. Ela chegou a tentar fazer empréstimo bancário, mas não conseguiu. “Ela confessou que usou o remédio nas duas vítimas para deixá-las dopadas e fazer o que ela queria”, disse o delegado. “Temos só esses dois casos aqui, mas acreditamos que ela fez mais vítimas e pedimos para quem a reconhecer, nos procurar. Ela é muito profissional no que fez”, acrescentou Caviolla.

Segundo o delegado, apesar de ser um crime “folclórico”, ele existe especialmente em boates, bordéis e bares, onde os suspeitos misturam o remédio na bebida alcoólica para dopar os alvos. “Ela foi indiciada por roubo e vamos ver se há mais vítimas. Caso descobrimos mais dados, pediremos a preventiva”, disse.

Sônia Auxiliadora é moradora na Vila União e vive com a família. A mulher é mãe de quatro filhos e é do tipo de pessoa que não levantava qualquer suspeita.

Escrito por:

Adagoberto F. Baptista