Publicado 23 de Fevereiro de 2019 - 5h30

O governo de São Paulo confirmou ontem a redução do reajuste de gás natural para os consumidores atendidos pela Comgás a partir de 1 de março. Na quinta-feira, já havia circulado a informação de que as indústrias de São Paulo e a Comgás teriam acertado uma redução do reajuste médio sobre o gás natural industrial dos 35%, em média, anunciados no início do mês, para 23%. Ontem, o governador João Doria (PSDB) oficializou a diminuição na presença dos principais articuladores da negociação, como representantes dos setores químico, de vidro e cerâmica, além da própria concessionária. O reajuste também será menor para os consumidores residenciais (de 11% passou para 8%), para clientes da cogeração (de 39% para 27%) e de GNV (de 40% para 28%). O vice-governador, Rodrigo Garcia, disse que uma portaria da agência reguladora estadual, a Arsesp, deverá ser publicada nos próximos dias com os novos ajustes. A redução no reajuste das tarifas de gás natural da Comgás não envolve qualquer contrapartida; ela foi anunciada com base numa expectativa de que o custo do gás para a distribuidora caia ao longo dos próximos meses. “O custo que a Comgás acumulou é decorrente do preço do gás, que é atrelado ao preço do petróleo, e nós temos uma expectativa de que esses preços caiam. Então, uma parte recuperaremos repassando o preço para a indústria e consumidores, e a outra parte esperamos que caia naturalmente, com a queda do preço do petróleo e a estabilidade do dólar”, disse Antonio Henrique Gross, diretor de relações institucionais da Comgás. (Estadão Conteúdo)