Publicado 23 de Fevereiro de 2019 - 5h30

A transferência da Policlínica II ainda não tem data definida para acontecer. O fato fere um Termo de Ajuste de Conduta (TAC) firmado entre a Prefeitura de Campinas e o Ministério Público do Trabalho (MPT) em março de 2018. Segundo o acordo, as atividades da unidade de saúde no prédio situado na Avenida Campos Salles, n 737, no Centro, deveriam ter sido encerradas no último dia 4.

A Administração Municipal havia se comprometido a finalizar todas as adequações necessárias no imóvel que abrigará a Policlínica II até o início deste mês. O prédio fica na Avenida Francisco Glicério, n 1.477, esquina com a Rua Barreto Leme, também no Centro. A Secretaria de Saúde, entretanto, informou, em nota, que as obras devem ser iniciadas ainda no primeiro semestre de 2019. Contudo, a Pasta não confirmou quando e nem o prazo para conclusão.

Em 2010, o Conselho Nacional de Medicina de São Paulo considerou, que o prédio da Policlínica na Campos Salles colocava em risco a saúde de pacientes e funcionários. Em março de 2018, o Sindicato dos Trabalhadores do Serviço Público Municipal de Campinas (STMC) alegou que faltava manutenção em elevadores e que produtos químicos estavam sendo armazenados de forma incorreta. Ontem, funcionários da unidade, que preferiram não se identificar, afirmaram que melhorias foram realizadas desde então e que, atualmente, não há problemas. Rodolfo Fais, diretor do sindicato, que acompanha a situação, não foi encontrado para comentar o caso.

De acordo com a Secretaria de Saúde, os recursos da primeira etapa da reforma do novo prédio são provenientes de um TAC, que está em fase de assinatura. “O cronograma inicial sofreu atrasos por conta da crise econômica, que comprometeu a captação de recursos”, diz trecho do texto.

A Pasta informou ainda que o prédio novo, doado em 2017 pela União e com valor estimado de R$ 25 milhões, não gera custos. No momento, o imóvel de seis andares e cerca de 2,76 mil m² se encontra fechado e teve sua fachada pichada. “O imóvel antigo deverá abrigar áreas administrativas da Pasta, mas isso ainda está em estudo”, diz trecho do texto.

O descumprimento do TAC firmado com o MPT previa sanção de R$ 150 mil por item, além de multa diária de R$ 1 mil. A Secretaria de Saúde informou, porém, que não ocorrerá nenhuma punição porque todos os procedimentos estão sendo acompanhados pelo órgão e também pelo sindicato da categoria, que realizam reuniões periódicas com a Administração desde 2017.

Atendimento

A Policlínica 2 oferece atendimentos nas seguintes especialidades: endocrinologia, oftalmologia, fonoaudiologia, otorrino, reumatologia, alergologia, gastroenterologia infantil, dermatologia, pneumologia e homeopatia. Também são ofertados para pacientes que já são atendidos no local psicólogo e nutricionista.

A policlínica é a unidade de saúde de nível intermediário no SUS, entre a atenção básica e a atenção hospitalar.