Publicado 26 de Fevereiro de 2019 - 23h50

Por AFP

Michael Cohen, o ex-advogado de Donald Trump, começou nesta terça-feira (26) uma maratona de depoimentos no Congresso dos Estados Unidos sobre supostas relações com a Rússia e práticas empresariais irregulares do presidente americano."Realmente useu esta oportunidade para esclarecer as coisas e dizer a verdade", disse depois de a poderosa Comissão de Inteligência do Senado ouvi-lo na Câmara durante oito horas.Cohen explicou em detalhes a audiência prévia nesta mesma comissão em 2017, de acordo com a CNN, pois havia admitido que mentiu para os senadores, especialmente sobre seus contatos com funcionários russos em relação a um projeto imobiliário de Trump em Moscou em 2016.O ex-guardião dos segredos da família Trum aparentemente não tem nada a perder, depois de ser condenado em dezembro a três anos de prisão por fraude fiscal, perjúrio e violação da legislação eleitoral. Sua sentença terá início em 6 de maio.Aos 52 anos, Cohen, que proclamava há dois anos dispor-se a "levar um tiro" por seu chefe, se transformou em uma testemunha-chave contra o presidente após ter concordado em cooperar com as investigações. A Casa Branca já encara com preocupação a iminente conclusão da investigação do procurador especial Robert Mueller sobre a suposta interferência russa a favor de Trump para derrotar a então candidata democrata Hillary Clinton na eleição presidencial americana de 2016. As três audiências - a primeira nesta terça-feira a portas fechadas, uma aguardada aparição pública na quarta-feira na comissão da Câmara de Representantes e outra privada na quinta - poderiam trazer novos problemas ao presidente.O advogado de Cohen, Lanny Davis, tinha dito na semana passada à emissora ABC News que seu cliente detalharia "experiências pessoais de primeira linha" sobre Trump, que qualificou de "arrepiantes'". Seu depoimento poderia, inclusive, ofuscar a cúpula entre Trump e o líder norte-coreano, Kim Jong Un, prevista para quarta e quinta-feira no Vietnã, sobre o arsenal nuclear da Coreia do Norte.A porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders, havia previamente desconsiderado a credibilidade de Cohen, a quem qualificou que "criminoso desacreditado"."É risível pensar que se possa acreditar em um mentiroso condenado como Cohen e é patético dar a ele uma nova oportunidade de difundir suas mentiras", declarou Sanders, nesta terça-feira, em Hanói.- Perguntas incômodas -O segundo depoimento - o mais aguardado - ocorrerá nesta quarta-feira, quando Cohen se apresentará à Comissão de Supervisão da Câmara de Representantes, recentemente devolvida ao controle dos democratas. O depoimento será público e televisionado.Será a oportunidade, disse Cohen na noite desta terça-feira, "de contar minha versão aos americanos" para que decidam "quem diz a verdade".Legisladores da ala esquerdista do Partido Democrata, como Alexandria Ocasio-Cortez e Rashida Tlaib, terão a oportunidade de fazer perguntas incômodas sobre as finanças da Organização Trump (para quem o advogado trabalhou por dez anos), as declarações de impostos do magnata, as questionadas prestações de contas de sua fundação e o projeto de construção de uma Torre Trump em Moscou durante a campanha para a Presidência dos Estados Unidos.Cohen tambén deverá ser interrogado sobre pagamento de 280 mil dólares para compra o silêncio de duas mulheres sobre supostas relações sexuais con bilionário. O advogado, que já foi condenado por ter realizado esses pagamentos ilegais, disse à promotoria que cumpriu ordens de Trump, envolvendo no delito o próprio presidente, que foi a público culpar seu ex-advogado por má gestão do dinheiro.Twitter

Escrito por:

AFP