Publicado 22 de Fevereiro de 2019 - 21h00

Por AFP

O secretário-geral da ONU, António Guterres, pediu nesta sexta-feira para o governo venezuelano de Nicolás Maduro "não usar a força letal contra manifestantes" após se reunir com o chanceler Jorge Arreaza.O líder da Assembleia Nacional venezuelana Juan Guaidó, reconhecido por cerca de 50 países como presidente interino da Venezuela, garante que a ajuda humanitária estrangeira vai entrar neste sábado na Venezuela, custe o que custar. Maduro rejeita a ajuda e garante que este é o início de uma ação militar para derrubá-lo, liderada pelos Estados Unidos."O secretário-geral pediu às autoridades venezuelanas que não usem força letal contra os manifestantes", afirmou seu gabinete em um comunicado. Guterres disse que a ONU "continuará a agir de acordo com os princípios humanitários de humanidade, neutralidade, imparcialidade e independência, trabalhando com instituições venezuelanas para ajudar pessoas necessitadas". Guterres se reuniu na quinta-feira na ONU com o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, e também lhe pediu para "evitar a violência" na Venezuela, disse seu porta-voz, Stephane Dujarric. O chefe da ONU rejeita toda a "politização" da ajuda humanitária."A ajuda humanitária deve ser usada de maneira imparcial (...) e sem um objetivo militar", insistiu seu porta-voz na sexta-feira, lamentando a morte de duas pessoas em confrontos com o exército venezuelano na fronteira com o Brasil. Dois indígenas foram mortos e 15 ficaram feridos em um confronto com militares venezuelanos na fronteira com o Brasil, quando tentavam impedir que soldados bloqueassem uma estrada para a entrada de ajuda humanitária, informou a Kapé Kapé, uma organização de direitos humanos. Guterres concordou com Pompeo e Arreaza em atender pedidos, mas resiste a pressões para tomar partido. lbc/gm/cn/ll

Escrito por:

AFP