Publicado 07 de Fevereiro de 2019 - 22h00

Por AFP

Os Estados Unidos criticaram duramente a Alemanha nesta quinta-feira por deportar um combatente islâmico para a Turquia em vez de extraditá-lo para Nova York para ser julgado por acusações relacionadas ao terrorismo.O caso diz respeito a Adem Yilmaz, um cidadão turco acusado por um júri federal nos Estados Unidos de conspirar para realizar um atentado suicida em 2008 no Afeganistão, no qual dois soldados americanos foram mortos e 11 ficaram feridos. "O governo alemão deliberadamente ajudou Yilmaz a escapar da Justiça, colocando-o em um avião para a Turquia", afirmou em comunicado o procurador-geral interino dos EUA, Matthew Whitaker. Yilmaz, também conhecido como Ebu Talha, foi deportado para a Turquia recentemente após passar 11 anos em uma prisão alemã por seu papel no planejamento de ataques em grande escala na Alemanha. Os Estados Unidos tinha exigido que Yilmaz fosse entregue para enfrentar as acusações contra ele apresentadas nos tribunais de Nova York.Por isso, Whitaker disse estar "profundamente desapontado" com a decisão da Alemanha de deportar Yilmaz para a Turquia, em vez de extraditá-lo para os EUA.Suas palavras sobre o governo de Angela Merkel foram muito duras. "O governo alemão se recusou a assumir qualquer responsabilidade por não extraditá-lo para os Estados Unidos, descumpriu suas obrigações nos tratados e prejudicou o Estado de Direito", disse o procurador-geral em exercício. O vice-secretário de Estado americano, John Sullivan, queixou-se diretamente do caso Yilmaz para a ministra alemã de Relações Exteriores, Heiko Mass, e para a embaixadora europeia nos Estados Unidos, Emily Haber, durante uma reunião em Washington na quarta-feira. "Yilmaz é um terrorista condenado que é acusado de crimes graves nos Estados Unidos", disse à imprensa o porta-voz do Departamento de Estado, Robert Palladino. Yilmaz, membro de um grupo chamado União da Jihad Islâmica, foi acusado de realizar ataques em 2006 contra tropas americanas estacionadas na fronteira entre Paquistão e Afeganistão.cl/sst/llu/gv/gma/yow/ll

Escrito por:

AFP