Publicado 07 de Fevereiro de 2019 - 20h20

Por AFP

O chanceler brasileiro, Ernesto Araújo, minimizou nesta quinta-feira a proposta do Grupo de Contato a favor de eleições presidenciais "livres" para a Venezuela, afirmando que a proposta "não é muito útil".A iniciativa, surgida de uma reunião em Montevidéu dos países europeus e latino-americanos que formam esse grupo, "não é muito útil", porque "parte do pressuposto de uma igualdade de condições entre o governo legítimo de Guaidó e a ditadura de Maduro", declarou Araújo em uma coletiva de imprensa em Washington.Ministros de mais de uma dúzia de países europeus e latino-americanos fizeram nesta quinta-feira na capital uruguaia um apelo por "eleições presidenciais livres, transparentes e confiáveis" na Venezuela.A proposta procura resolver o tenso confronto político entre Maduro - o presidente reeleito nas eleições questionadas do ano passado, que acaba de assumir o poder até 2025 - e Guaidó - o chefe democraticamente eleito do Parlamento em 2015, que se proclamou presidente interino em 23 de janeiro invocando poderes constitucionais.bur-ad/gv/cc

Escrito por:

AFP