Publicado 07 de Fevereiro de 2019 - 13h40

Por AFP

Aos gritos de "não façam a guerra à Venezuela!", dezenas de manifestantes, em sua grande maioria britânicos, exigiram nesta quinta-feira, em Londres, que o Banco da Inglaterra entregue ao regime de Nicolás Maduro o ouro que Caracas depositou na instituição.Convocados pelo grupo de esquerda Venezuela Solidarity, quase cem pessoas protestaram em frente à sede do banco central, que no momento realizava sua reunião de política monetária."Banco da Inglaterra, devolva o ouro para a Venezuela!", gritaram, enquanto um manifestante, caracterizado como o presidente americano Donald Trump, acariciava duas barras de ouro falsas sob uma grande bandeira da Venezuela."O governo de Maduro é legítimo, foi eleito e reconhecido pela maioria dos países do mundo", disse à AFP Robert Miller, de 50 anos, que trabalha para uma organização de caridade.E, se argumenta defender os direitos humanos, "porque o Banco da Inglaterra não tira o ouro da Arábia Saudita ou de outro país?", questionou."Uma instituição financeira não pode determinar quem é culpado pela repressão", acrescentou."O ouro pertence ao povo venezuelano", declarou Dominic Hale, um assistente social de 32 anos, denunciando a pressão exercida pelos Estados Unidos, "abertamente interessado no petróleo da Venezuela".O executivo venezuelano vem tentando há vários meses repatriar as reservas internacionais de ouro depositadas em Londres.De acordo com um relatório publicado pela Natixis, o país latino-americano tem atualmente no Banco da Inglaterra cerca de 31 toneladas de ouro no valor de 1,3 bilhão de dólares.O opositor venezuelano Juan Guaidó, reconhecido como presidente interino da Venezuela por cerca de 40 países, escreveu em janeiro à primeira-ministra britânica Theresa May pedindo que o Banco da Inglaterra não devolva o ouro ao regime de Maduro.Interrogado pela AFP, o Banco da Inglaterra, que atua de forma independente do governo, não quis confirmar se tomou uma decisão sobre o assunto. Mas enfatizou que "antes de fazer qualquer transação, o Banco deve ter certeza de que a entidade solicitante tem as autorizações necessárias para exigir a operação, que todas as sanções estão sendo respeitadas e que não há evidência de que a transação envolva uma atividade criminosa".acc/mb/mr

Escrito por:

AFP