Publicado 11 de Janeiro de 2019 - 17h15

Por Rafaela Dias

Foto: Cedoc

Rafaela Dias

da Agência Anhanguera

[email protected]

As aulas da rede municipal de educação de Campinas vão começar no dia 6 de fevereiro, mas os cerca de 55,5 mil alunos darão início ao ano letivo sem material e uniforme escolar. A confirmação foi feita pela Secretaria Municipal de Educação ontem.

O Estado confirmou que 104,2 mil alunos da rede na cidade também vão sofrer atrasos na entrega do material escolar de 2019. Na última terça-feira, dia 8, o governo assinou o contrato, mas a empresa tem até 150 dias para realizar as entregas.

“Essa é mais uma situação que prova que a educação em Campinas está um caos. A creche aonde meu filho estudou no ano passado, não entregou mochila, tênis e meias. Esses utensílios faziam parte do combo que a prefeitura entregava junto com o uniforme. Além disso, a desorganização da creche foi um ponto muito negativo e neste ano, acredito que não vai mudar muita coisa”, afirma a consultora comercial que preferiu não se identificar para a reportagem do Correio Popular. “Liguei ontem para saber a data de início de funcionamento da creche e eles não sabiam informar. Um absurdo”, disse.

O filho dela de 5 anos, estuda desde os 3 na rede municipal. “É um descaso. Nós mães precisamos trabalhar e não temos condição de colocar nossos filhos em uma escola particular”, reclamou. Segundo ela, o período integral atende crianças de no máximo 3 anos. Desempregada, ela estima em R$300 o prejuízo da não entrega dos uniformes e complementos. “Material escolar ainda não chegou a faltar, mas temos que comprar tênis e mochila e são objetos caros”.

A Secretaria de Educação informou também que já realizou dois pregões eletrônicos para a escolha das empresas que fornecerão tanto o material escolar quanto o uniforme para os alunos matriculados na rede municipal. Na próxima semana, serão conhecidas as empresas vencedoras. Se todos os trâmites acontecerem sem imprevistos, como impugnações por exemplo, as vencedoras terão o prazo de até 30 dias para a entrega dos materiais e uniformes. "A Secretaria de Educação está trabalhando para que a entrega seja o quanto antes, ainda no início do ano letivo. ", afirmou a nota oficial.

“Acho uma falta de ‘educação’ para com os nossos filhos, pois nós pais nos desdobramos para não deixar faltar nada e nem o mínimo o governo fornece? Durante o ano nunca tem verba, pra nada datas comemorativas que passam em branco. Se não tem verba para todas essas datas como deixam de dar o material escolar e o uniforme”, questiona outra mãe. O filho de um ano e sete meses também frequenta uma creche municipal. “Quando tem alguma atividade na escola não tem monitor, ou seja, não pagam monitor nem material escolar e uniforme. Cadê o dinheiro da educação?”, questiona ela.

Outra mãe que também optou por não se identificar, informou que a escola municipal onde o filho estuda, entregou o uniforme somente no meio do ano passado. “Sem contar a péssima organização da escola. Esse ano já passei duas vezes na escola eles informam que estão sem sistema e não sabem quando vai ser o primeiro dia letivo”, contou. Na escola estadual onde ele estudou no ano passado, também teve demora na entrega de material. “O uniforme este ano está custando R$34 reais, um absurdo”, avaliou.

Retranca: Cerca de 70% dos alunos devem começar ano letivo sem material

Já o acordo da secretaria estadual, prevê a entrega dos kits para 2,6 milhões de alunos matriculados em toda a região metropolitana e interior paulista. O valor dos contratos é de R$ 86 milhões. A gestão da secretaria negociou com as contratadas para que a entrega seja antecipada, para reduzir o impacto para os estudantes. A expectativa é que a entrega comece ainda em janeiro para a capital e no início de fevereiro para os demais municípios.

Os contratos para aquisição dos itens são sempre realizados no semestre anterior. No entanto, a gestão passada não firmou o convênio e deixou a maior parte dos estudantes do Ensino Fundamental (Anos Iniciais e Finais) e Ensino Médio sem o kit escolar. Até agora apenas crianças e jovens da capital estavam com o material assegurado cerca de 965 mil alunos.

Os kits escolares são destinados a todos os estudantes matriculados na rede estadual de São Paulo, de acordo com a faixa etária e etapa de ensino. Para o Ensino Fundamental I (Anos Iniciais), a caixa é composta por 31 itens incluindo, além de caderno brochura e de desenho, giz de cera e tinta guache. Para o Ensino Fundamental II (Anos Finais), integram o kit 30 itens. Já o material do Ensino Médio traz três cadernos universitários e nove canetas esferográficas, entre outros 13 objetos.

Escrito por:

Rafaela Dias