Publicado 25 de Janeiro de 2019 - 14h46

Por Estadão Conteúdo

Imagens divulgadas por bombeiros mostram a inundação de lama impressionante em grandes áreas de vegetação

Divulgação

Imagens divulgadas por bombeiros mostram a inundação de lama impressionante em grandes áreas de vegetação

Quase três anos depois do rompimento da barragem de Fundão, da mineradora Samarco (Vale e BHP), em Mariana, Minas Gerais, em novembro de 2015, mais um desastre ameaça o Estado, com o rompimento hoje de uma barragem da Mina do Feijão, da Vale, em Brumadinho.

"A primeiras informações indicam que os rejeitos atingiram a área administrativa da companhia e parte da comunidade da Vila Ferteco. Ainda não há confirmação se há feridos no local", disse a Vale em nota.

A mineradora informou que acionou o Corpo de Bombeiros e ativou o seu Plano de Atendimento a Emergências para Barragens. "A prioridade total da Vale, neste momento, é preservar e proteger a vida de empregados e de integrantes da comunidade", disse em nota.

A Vale se comprometeu ainda a continuar fornecendo informações assim que forem confirmadas.

Prefeitura de Brumadinho pede para população manter distância do Rio Paraopeba

A Prefeitura de Brumadinho, região metropolitana de Belo Horizonte (MG), emitiu comunicado de urgência pedindo para que a população mantenha distância do Rio Paraopeba. A mensagem, na página da prefeitura no Facebook, tinha quase 1.200 compartilhamentos até o momento.

Nesta sexta-feira, 25, a barragem da Mina do Feijão, da mineradora Vale, se rompeu e um mar de lama tomou conta do município de Brumadinho. Imagens de TV mostravam helicóptero de equipes de emergência resgatando pessoas em meio à lama.

Ações

O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) afirmou que enviou uma equipe do Núcleo de Combate aos Crimes Ambientais (Nucrim) para verificar e avaliar, juntamente com outras autoridades ambientais do Estado, a extensão dos danos causados pelo rompimento de barragem de mineração na região de Brumadinho, a cerca de 50 km de Belo Horizonte.

A Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil, vinculada ao Ministério do Desenvolvimento Regional, informou que acionou equipes para acompanhar a situação de Brumadinho (MG).

O secretário nacional de Proteção e Defesa Civil, Alexandre Lucas Alves, e o diretor do Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres, Armin Augusto Braun, deverão ir para o município mineiro ainda nesta tarde. O secretário está em Maceió (AL) aguardando a autorização para que um avião da Força Aérea Brasileira (FAB) seja direcionado para o deslocamento. A Secretaria informou que, caso isso não seja possível, uma passagem de voo comercial já foi providenciada.

Além disso, o órgão informou que está em contato constante com a Defesa Civil de Minas Gerais e de Brumadinho para levantar dados sobre socorro a vítimas. Um relatório com as primeiras informações será enviado à Casa Civil da Presidência da República.

Já o Ministério do Desenvolvimento Regional disse que, no momento, não é possível ter um levantamento sobre a extensão do rompimento e que não há outras ações imediatas além do envio dos integrantes da Secretaria Nacional e do contato com os órgãos municipal e estadual.

Escrito por:

Estadão Conteúdo