Publicado 26 de Janeiro de 2019 - 5h30

O Corpo de Bombeiros comunicou que o galpão da fábrica de produtos químicos da Ten Four, que pegou fogo na tarde de quinta-feira, em Valinhos, no bairro Nova Espírito Santo, vai ter que ser demolido. Os trabalhos de remoção dos escombros e de rescaldo começaram na manhã de ontem. Não houve feridos, mas uma intensa fumaça tóxica saiu da área e atingiu vários bairros da cidade. Até moradores de Campinas, que residem nas imediações do Jardim Antônio Von Zuben, sentiram um forte odor de cloro depois da explosão.De acordo com a corporação especial da Polícia Militar, a necessidade de demolir o barracão é necessária porque houve comprometimento das paredes do cômodo pelas chamas, que correm sérios riscos de desabar e ferir pessoas.As causas do incêndio ainda serão investigadas, mas a princípio a queda de um raio foi descartada pelo Corpo de Bombeiros. A corporação não descarta a possibilidade de ter ocorrido uma reação química entre os produtos de manutenção de piscinas que estavam guardados no barracão.A Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) esteve no local para coletar amostras da água do córrego, que passa margeando a fábrica, do ar na região e do solo. Não há prazo para que um laudo seja divulgado. A Polícia Civil também vai investigar a explosão.Drone

Trecho da Rodovia dos Agricultores e outras vias da região foram interditadas por equipes da Secretaria de Mobilidade Urbana para segurança dos motoristas. Dois prédios próximos à empresa foram interditados e os bombeiros controlaram as chamas para que eles não fossem afetados pelo fogo. A Prefeitura de Valinhos montou uma estrutura de apoio aos cerca de 25 bombeiros e servidores que estiveram trabalhando no local, com água e alimentação.O incêndio na empresa Ten Four começou no início da tarde de quinta-feira e por volta das 21h30 já estava praticamente controlado. Os bombeiros chegaram a utilizar um drone para localizar focos de incêndio no interior do prédio, que estava inacessível. A Secretaria Municipal de Saúde criou um plantão de atendimento especial para casos de emergência de intoxicação e graves problemas respiratórios, mas a equipe não havia sido acionada até as 21h30.