Publicado 12 de Janeiro de 2019 - 9h52

Por Rafaela Dias

Parlamentares apresentaram 119 sugestões em apenas 9 dias

Cedoc/RAC

Parlamentares apresentaram 119 sugestões em apenas 9 dias

Nos primeiros nove dias do ano, os vereadores de Campinas apresentaram 119 indicações à Prefeitura, que vão desde pedido de podas de árvores, instalação de lixeiras em parques públicos, operação tapa-buraco, manutenção de sinalização de trânsito, troca de iluminação até a realização de operação ‘cata-treco’ em diversos bairros. A iniciativa reforça o interesse dos vereadores em manter uma boa relação com seu reduto eleitoral, o que configura um perfil clientelista de atuação.

O recesso legislativo termina oficialmente apenas dia 4 de fevereiro, quando voltam as sessões ordinárias, porém, por conta dos trabalhos da Comissão Processante, que investiga o Caso do Hospital Outro Verde, a movimentação na Casa legislativa continua.

Os parlamentares já estão engajados em usar todas as ferramentas disponíveis para atender às demandas dos bairros da cidade. Nos documentos, eles pedem até estudos que devem ser feitos pelo Executivo. “As indicações são uma prerrogativa dos vereadores e devem ser respeitadas e atendidas”, reforça o presidente da Câmara, Marcos Bernardelli (PSDB).

Uma das indicações solicita a instalação de lixeiras no Centro de Lazer Arquiteto Renato Righetto, no Jardim Interlagos. “No Verão, o fluxo de pessoas nessas áreas aumenta, então é preciso ter a manutenção em dia. Entretanto, é preciso lembrar que as pessoas também devem colaborar, não depredando o patrimônio público, pois esses locais são entregues à população com toda a estrutura, mas ao longo do tempo acabam sofrendo com atos de destruição”, explica o autor da iniciativa, vereador Jorge da Farmácia (PSDB).

Enquanto as sessões não são retomadas, quando projetos de grande importância e mudança na cidade não são aprovados, segundo Jorge, os vereadores usam outros instrumentos para auxiliar a cidade. “Não podemos esperar até fevereiro para começar a trabalhar, portanto, a população deve saber que já pode nos procurar para auxiliar a região em que vivem.”

Meio ambiente e saúde

Já o vereador Rubens Gás (PSC) protocolou mais de dez indicações solicitando que a Prefeitura realize operações cata-treco em diversos bairros, por exemplo, Vila Esperança, Vila Olímpia, Jardim Santa Mônica, San Martin e outros.

“Essa operação consiste na coleta de materiais que o lixeiro comum não recolhe, como sofás e cadeiras velhos e móveis quebrados. Esse lixo acumulado nas vias públicas atraem animais peçonhentos e causam estragos ainda maiores quando são levados pelas enchentes provocadas pelas fortes chuvas, comuns nesta época do ano”, explica.

O pedido de um ecoponto no bairro Village também foi feito. O equipamento público conta com pontos de entrega voluntária de materiais recicláveis (papel, plástico, vidro e metal), resíduos da construção civil (entulho, madeiras, latas de tinta), pneus, resíduos de poda e jardinagem além de objetos inservíveis, como sofás, armários, móveis.

Para o edil, autor do pedido, a instalação diminuiria também a necessidade de operações cata-treco. “O descarte correto desses resíduos é um ato cidadão que, além de preservar o meio ambiente, mantém a cidade limpa, bonita e livre de insetos transmissores de doenças, como o mosquito Aedes aegypt, causador da dengue, da zika e da chikungunya”, afirma Luiz Rossini (PV).

Projetos

Os vereadores estão também apresentando projetos e requerimentos que só começam a tramitar (no caso dos projetos) e a contar prazo (no caso dos requerimentos) a partir da primeira sessão, quando regimentalmente é dado conhecimento de todo os trabalhos ao Plenário.

Um deles é do vereador Luiz Henrique Cirilo (PSDB), que cria no site oficial da Prefeitura, um espaço denominado ‘Portal de Obras Públicas’", divulgando as informações contratuais e técnicas de todas as obras realizadas na cidade. “É importante frisar que todos os projetos apresentados nesta Casa, no que tange a publicidade dos atos do Poder Público, têm o objetivo de fiscalizar a transparência do Executivo no trato com a coisa pública”, enfatiza.

O projeto precisa passar pela análise das comissões permanentes da Câmara e depois ser votado em dois turnos no plenário. Caso seja aprovado e o Executivo sancione, dentro de 180 dias as informações devem ser divulgadas.

Pauta na contramão

Já a primeira sessão do ano está deixando a desejar, embora a pauta de votação ainda possa sofrer alterações até o dia 4 de fevereiro. Um dos projetos veta totalmente a obrigação de determinadas empresas disponibilizarem móvel trocador de fraldas nas instalações sanitárias destinadas aos consumidores.

Outro projeto, readequa o texto da lei que trata da gratuidade no cinema para idosos. Outros três são de entrega de honrarias que deverão ser feitas pela Câmara. 

Escrito por:

Rafaela Dias