Publicado 03 de Outubro de 2018 - 16h50

Por Adagoberto F. Baptista

Alenita Ramirez

[email protected]

Foto: Divulgação

Um homem de 32 anos foi preso na tarde de ontem em Valinhos suspeito de tráfico internacional de drogas. Ele foi detido por policiais militares quando fazia uma postagem na agência dos Correios e Telégrafos da Avenida Dom Nery, para a Austrália. No envelope havia cocaína, mas não foi informado qual era a quantidade. O suspeito, cujo nome não foi informado, foi apresentado na sede da Polícia Federal, em Campinas.

O homem foi detido após a PF pedir ajuda para o Correios. No início da primeira quinzena de agosto, a Polícia Federal enviou ofício a agência informando que investigava postagens de encomendas ilícitas que partiam do local para o exterior. Os envios já estavam ocorrendo a um certo tempo. Os policiais forneceram o nome do remetente e pediram para que a agência acionasse a polícia Militar ou Federal caso o suspeito enviasse novos correspondências. O último envio postado teria ocorrido no dia 7 do mês passado. Ontem, segundo a PF, funcionários dos Correios desconfiaram do suspeito e chamaram a PM. “Já estavam cientes através de um documento de alerta da Polícia Federal onde informava que ele era procurado por este mesmo crime, então, quando certificaram que era a mesma pessoa acionaram a polícia militar que passava próximo do local e após levantamentos preliminares identificaram que o brasileiro transportava cocaína”, informou a PF via nota.

O brasileiro foi autuado em flagrante por tráfico internacional de entorpecentes, cuja pena varia de cinco a 15 anos de reclusão, e multa. O preso permanecerá à disposição da Justiça Federal em Campinas.

Em nota, os Correios informaram que “um homem tentou realizar a postagem de entorpecentes na Agência de Valinhos e foi preso em flagrante pela Polícia Militar antes mesmo de realizar a postagem. Por ser assunto relacionado com a segurança postal, os Correios não divulgam detalhes dessas ações. O atendimento da agência não foi prejudicado”.

Escrito por:

Adagoberto F. Baptista