Publicado 04 de Outubro de 2018 - 15h50

Por Estadão Conteúdo

EUA testam sistema de alerta nacional pelo celular pela primeira vez

Reprodução

EUA testam sistema de alerta nacional pelo celular pela primeira vez

Aparelhos eletrônicos ao redor dos Estados Unidos receberam alertas na quarta-feira 3, quando a Agência Federal de Gerenciamento de Emergências (Fema) realizou seu primeiro teste nacional de alerta de emergência sem fio. A mensagem foi emitida às 14h18, com o título "Alerta Presidencial", seguido da mensagem "ESTE É UM TESTE do Sistema Nacional de Alerta de Emergência Sem Fio. Nenhuma ação é necessária."

Funcionários da Fema estimaram que cerca de 225 milhões de dispositivos receberiam o alerta aproximadamente no mesmo horário.

O sinal foi transmitido por torres de celular por 30 minutos, fazendo com que alguns recebessem mais cedo que outros. E enquanto houve celulares que receberam até quatro alertas, outros simplesmente não receberam a mensagem. Em uma emergência real, os dispositivos receberiam o alerta ao mesmo tempo ou o mais próximo possível do mesmo horário.

Além dos celulares, um segundo alerta transmitido pela televisão e rádio disparou às 14h20, mas esses já são realizados há anos.

O teste do sistema na quarta-feira simulou o caso de um alerta de alto nível, que seria utilizado apenas em caso de uma emergência nacional. A ação foi realizada em coordenação com a Comissão Federal de Comunicação. Ainda não se sabe o quão bem-sucedida foi a simulação.

Funcionários da Fema disseram que os dados seriam compartilhados com operadoras de telefonia móvel, para ajudar a garantir que o sistema funcione bem em caso de uma emergência real. A agência estimou que a mensagem teria chegado a 75% de todos os telefones móveis do país.

O sistema de alerta sem fio foi lançado em 2012 e embora os cidadãos possam escolher não receber alertas sobre desastres naturais ou crianças desaparecidas, não é possível recusar os alertas presidenciais, que são emitidos sob ordem da Casa Branca e ativados pela Fema.

Escrito por:

Estadão Conteúdo