Publicado 05 de Outubro de 2018 - 5h30

Uma supervisora de 52 anos foi torturada e morta a golpes de faca durante um assalto na tarde de anteontem, na Vila Monte Alegre, em Paulínia. Shirley Faria Alves foi encontrada por uma filha e o genro, caída na cozinha da casa. Ela teve o pescoço parcialmente degolado e um dedo anelar cortado. Os criminosos fugiram com o carro dela e joias. Ninguém foi preso até final da manhã de ontem. O crime é investigado na delegacia da cidade e chocou o bairro.

De acordo com vizinhos, Shirley morava, de aluguel, no bairro havia quatro anos. Há um ano ela ficou viúva e residia sozinha no imóvel principal. Um sobrinho mora em uma edícula nos fundos, com entrada independente. A vítima trabalhava em um restaurante em Americana e costumava sair todos os dias às 4h da manhã e voltava por volta das 14h. Ela tinha um Kia Cerato. “Era raro a gente vê-la. Era uma mulher que saia cedo para o trabalho e quando voltava ficava em sua casa. Quando passava pela gente, levantava a mão e cumprimentava”, disse um vizinho que não quis ser identificado.

A Polícia Civil não quis comentar o crime. Vizinhos relataram que supostamente a vítima foi rendida quando deixava o trabalho. Os criminosos a teriam levado em uma agência bancária e depois seguido para a casa dela. “Choveu muito aqui à tarde, entre 13h e 14h30 e não vimos movimentos estranhos. Então achamos que os bandidos entraram com ela na garagem, pois não houve arrombamentos”, comentou outro vizinho.

Ainda segundo vizinhos, o último contato dela foi com um rapaz o qual deu carona. A família tentou falar com a supervisora e como não conseguiu, foi até o imóvel. "Cheguei do mercado por voltas das 15h e não vi nada. Entrei para dentro de casa e quando sai, cerca de uma hora depois, vi um monte de viaturas na rua e então soube o que tinha acontecido com ela. É muito triste, pois os criminosos foram muito violentos”, disse um vizinho.

Segundo a polícia, a filha relatou que havia uma almofada sobre o rosto da mãe. Para levar o anel e a aliança da vítima, os criminosos cortaram o dedo dela. O corpo de Shirley foi enterrado na tarde de ontem em Paulínia. A família não quis comentar o caso.