Publicado 03 de Outubro de 2018 - 5h30

Vitória tem três anos de idade e não frequenta creche. Ela mora no Jardim Campituba, localizado a cerca de 18 km do Centro de Campinas. A menininha desinibida e esperta, passa o dia dentro de casa com a mãe e uma irmã deficiente. Brincadeiras? Sozinha e uma vez ou outra com uma vizinha. Como não tem brinquedos porque a família é carente, ela brinca com o batom da mãe, com o caderno e a caneta da irmã mais velha.

Assim como Vitória, as cerca de 20 mil crianças que moram na região do Campo Belo, segundo o presidente da Associação de Moradores do Jardim Campituba, José Aparecido dos Santos, também sofrem com a falta de uma área de esporte e lazer nos bairros. A ausência desses dois setores tem sido uma porta aberta para o envolvimento de crianças e adolescentes no mundo do crime, em especial, com drogas.

“A violência existe em todo o lugar, mas em muitos locais há áreas de lazer e cultura para envolver os jovens e afastar do mundo da violência. Aqui na nossa região as crianças e os jovens não têm para onde ir. Nem creches têm”, disse Santos. Segundo ele, as crianças são levadas para unidades distantes 15 km de suas casas.

O desabafo aconteceu na manhã da última segunda-feira, quando um ajudante de pedreiro foi morto com seis tiros na frente do filho de 5 anos e da mulher em plena luz do dia. Ao todo, são 19 bairros e nenhum deles, segundo Santos, conta com equipamentos de lazer e esporte.

Além da falta de lazer, os moradores também sofrem com a falta de estrutura básica, como pavimentação nas ruas e esgoto. Também há falta de identificação das ruas. A maior parte é conhecida por números e eles se repetem nos bairros. Como são muitos próximos, achar um endereço no local é quase que impossível. “A falta de equipamentos públicos, de estrutura, tudo contribuem para o aumento da violência. É triste. Moro aqui há 23 anos e nada muda. Já fizemos tantos pedidos na Prefeitura, e um joga para o outro o problema, sem que se resolva”, disse Santos.

Prefeitura indica implantação de melhorias

Em nota, a Prefeitura informou que trabalha na implantação de várias políticas públicas para atender a região do Campo Belo. Na política habitacional, por exemplo, segundo a Prefeitura, a Secretaria de Habitação/Cohab trabalha na regularização de 111 núcleos habitacionais, 19 deles na região do Campo Belo. “A regularização é condição para que o local possa receber serviços de infraestrutura urbana, tais como rede de esgoto e asfalto.”

Sobre a Educação, foi informado que será entregue no próximo semestre uma escola de Educação Infantil (CEI Bem Querer) no Jardim São Domingos, que atenderá também crianças do Campituba. Atualmente, as crianças deste bairro são atendidas nos Jardins Fernanda e Campo Belo. A Prefeitura informou também que implantou a escola de Ensino Fundamental Ednei Gori, localizada na Fazenda Capuava, no Campo Belo, que atende 200 alunos do 1 ao 5 anos. Na área de Saúde, segundo a pasta, os moradores desta comunidade são atendidos no Centro de Saúde do Jardim São Domingos. “Sobre lazer, em 2016, foi urbanizada a Praça José Vicente de Paula, na Vila Palmeiras.” (AR/AAN)