Publicado 04 de Outubro de 2018 - 22h00

Por AFP

A informalidade no mercado de trabalho da América Latina, onde a metade dos trabalhadores não contribui com a previdência social, ameaça a sustentabilidade das aposentadorias na região, advertiu nesta quinta-feira (4) um especialista da Organização Internacional do Trabalho (OIT)."A sustentabilidade das aposentadorias está ameaçada", disse à AFP o argentino Fabio Bertranou, diretor da Equipe de Trabalho Decente de Países da OIT para o Cone Sul da América Latina.Segundo a OIT, um em cada dois trabalhadores na América Latina não é registrado nem contribui com a previdência social."O desafio do sistema (de aposentadoria) é que há muita informalidade", afirmou Bertranou durante a 19ª Reunião Regional Americana da OIT celebrada no Panamá.De 2005 a 2015, a taxa de trabalhadores que contribuía aumentou de 36% para 44% devido a una maior formalização do trabalho, graças a uma expansão econômica produto dos bons preços das matérias-primas, segundo a OIT.Ainda assim, cerca de 145 milhões de trabalhadores não contribuem com a previdência social na América Latina.Nos últimos anos, a região sentiu uma desaceleração econômica que pode afetar a formalização do trabalho, enquanto surgem outras relações trabalhistas com o aparecimento de novas tecnologias e o trabalho autônomo."Considerando o que aconteceu no mercado de trabalho, entendemos que esse progresso da última década se desacelerou", avalia Bertranou.Por isso, a OIT pede que se aposte no trabalho formal, o que permitiria maiores receitas para o sistema de previdência social. jjr/mas/lda/cc/mvv

Escrito por:

AFP