Publicado 04 de Outubro de 2018 - 20h10

Por AFP

Dois anos após o roubo espetacular a Kim Kardashian em Paris, sua companhia de seguros processou seu ex-guarda-costas e pediu 6,1 milhões de dólares por não ter cumprido sua responsabilidade de proteger a estrela. O processo foi apresentado na quarta-feira em um tribunal de Delaware pela companhia de seguros American International Group (AIG) contra o guarda-costas Pascal Duvier e a companhia de segurança Protectsecurity por descumprimento de contrato, segundo o registro judicial. De acordo com a ação, obtida pelo site especializado em notícias de celebridades TMZ, a companhia de seguros afirma que Pascal Duvier descumpriu suas responsabilidades, deixando a esposa do rapper Kanye West sozinha em sua luxuosa residência hoteleira no bairro de Madeleine. Ele também é acusado de não ter informado sobre as deficiências de segurança do hotel: a ausência de fechadura em um portão do pátio, um intercomunicador defeituoso e a falta de câmeras de vigilância. Pascal Duvier, que não trabalha mais para as Kardashian, havia saído para acompanhar a irmã de Kim, Kourtney Kardashian, a uma casa noturna. A AIG afirma que estas falhas de segurança permitiram que os criminosos entrassem no apartamento de Kim Kardashian. A firma também se queixa de que o concierge não tinha formação de segurança, embora a ação não seja contra ele e nem contra o hotel. Durante o roubo, a estrela do programa "Keeping Up with the Kardashians", que esteve em Paris durante a Semana da Moda em outubro de 2016, foi ameaçada com uma arma de fogo, amordaçada, amarrada e presa em um banheiro. Depois que os ladrões foram embora, ela conseguiu se soltar e chamar seus seguranças. Os cinco assaltantes roubaram um anel de quase 4 milhões de euros e várias joias de diamantes e ouro avaliadas em 9 milhões de euros, no maior roubo a um particular nos últimos 20 anos França. Os 6,1 milhões pedidos ao guarda-costas pela seguradora correspondem ao montante que a companhia teve que pagar a Kardashian, segundo o TMZ. Cerca de 17 pessoas foram presas nos meses posteriores ao roubo. Só uma peça, uma cruz incrustada de diamantes, foi recuperada.cat/tu/ll/cd/cc

Escrito por:

AFP