Publicado 14 de Agosto de 2018 - 9h32

Por France Press

Imagens divulgadas nas redes sociais mostram o momento em que policiais fortemente armados cercaram o veículo, do qual retiraram o motorista, que foi algemado

Daniel Leal-Olivas/AFP

Imagens divulgadas nas redes sociais mostram o momento em que policiais fortemente armados cercaram o veículo, do qual retiraram o motorista, que foi algemado

Um homem atropelou com seu carro vários ciclistas e pedestres diante do Parlamento em Londres e depois avançou contra a barreira de segurança do edifício, em um caso que a polícia investiga como um "ato terrorista".

O homem tem entre 25 e 30 anos e é suspeito de "crimes de terrorismo", informou a Scotland Yard em um comunicado. O ataque deixou vários feridos, mas nenhum deles está em perigo de morte.

"Nesta etapa tratamos isto como um incidente terrorista. O Comando Antiterrorista da Polícia Metropolitana dirige a investigação", afirma um comunicado da força de segurança.

Às 7H37 (3H37 de Brasília), um automóvel Ford Fiesta de cor prata atropelou ciclistas e pedestres antes de bater na barreira de segurança do Parlamento.

O motorista, único ocupante do veículo, foi detido na hora, de acordo com a Scotland Yard, que não encontrou nenhuma arma na área do ataque.

"Apesar de mantermos a mente aberta, o Comando Antiterrorista da Polícia Metropolitana lidera a investigação sobre o incidente de #Westminster", anunciou a força de segurança no Twitter.

Imagens divulgadas nas redes sociais mostram o momento em que policiais fortemente armados cercaram o veículo, do qual retiraram o motorista, que foi algemado. As ruas ao redor do Parlamento em Westminster foram fechadas.

Outros vídeos mostram o momento exato da detenção do motorista.

Diversas viaturas da polícia e ambulâncias foram enviadas às proximidades do Parlamento, assim como o esquadrão antibombas e cães farejadores. A estação de metrô de Westminster também foi fechada.

Toda a área do incidente era sobrevoada por um helicóptero e foi isolada pelas forças de segurança.

Escrito por:

France Press