Publicado 11 de Agosto de 2018 - 5h30

Se ser falso fosse carimbo na testa ia ter muita gente precisando cobrir bem com maquiagem pesada para sair por aí. Mas agora estamos às voltas com o pior, com a irresponsabilidade descarada de fazer ou ajudar a circular informações, afirmações, falsas. O que já tem trazido consequências devastadoras e perigosas. Por exemplo, o baixo índice de vacinação e imunização para doenças graves que já estavam prescritas e voltam a nos assolar.

Nosso País é no geral, ignorante, e isso não afeta só pessoas pobres ou que não tenham estudos - elas muitas vezes sabem até mais do que muitos letrados, conhecem a vida e a verdade na própria carne. Temo que, porque justamente de origem essas informações falsas estejam sendo passadas na maldade, por quem sabe exatamente o foguete que está lançando e até sendo pago para isso, estejam fazendo maior estrago. Tentam aparentar ter alguma chancela, nobreza, testemunho; tudo falso.

Afinal, em um país onde os telefones de emergência recebem mais trotes do que chamados reais, o campo é fértil. Num país que qualquer zinho que coloque um Dr. na frente de seu nome escancara portas... Qualquer que mostre carteira com brasão e se empine todo...

Mas é a propagação que deve ser analisada, como se fôssemos bombeiros diante de um incêndio. Primeiro joga a água, esfria.

E o dedinho nervoso? Que compartilha insanamente tudo o que recebe? Aquelas vozes sinistras em gravações de áudio: "Aqui é o fulano...". Pior se ainda põe o recado "Repasso, como chegou" ... "Não chequei, mas veio de boa fonte..." e aí aparece como "fonte" o primo do irmão do avô do tio, filho da mãe de um amigo, que garante ser verdade. Vou falar: vejo (e recebo) até de jornalistas importantes, "nomões", que em redações creio que jamais fariam isso. Seria a comichão vontade de participar, dizer que sabe, soube? Talvez. Isso fora quem distorce, torce e torce os fatos de alguma afirmação correta até ela se tornar falsa.

Beleza falsa - outro tema da hora - é pouco. Temos falsos profissionais, médicos, mecânicos; remédios falsos; falsos sites, e-mails, falsos alarmes; falsos ricos, falsos conquistadores; falsas campanhas de caridade! Mais falso que os nomes verdadeiros de artistas, a arte falsa.

Falsos sequestros! Eu que não tenho filhos vivo recebendo aviso de que algum deles foi sequestrado. Outro dia segurei, disfarçando a voz e me fazendo teatralmente de pai desesperado, mais de dez minutos de conversa com um bandido que ligou aqui. É impressionante, gente, a violência, virulência e contundência. No meio da conversa, fazem fortes ameaças, e, claro, citam Deus, se dizem família também, e fazem jorrar frases feitas e bíblicas na linguagem modo "mano". E o coitado do "filho" fica berrando lá atrás como se estivesse sendo estripado: socorro, papai, paga logo o que eles estão pedindo!

Ganhar na loteria a gente não ganha, mas receber esse tipo de chamada é comum.

Sei é que está tudo tão falso como a tal nota de três reais, os discursos de campanha e risadas em programas de humor.

Dá vontade de se esconder em algum fundo falso até tudo passar. Ah! E usar roupas com bolsos falsos para não ser roubada!