Publicado 14 de Agosto de 2018 - 9h00

Por AFP

A presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen, pronunciou um discurso na segunda-feira em Los Angeles durante uma escala nos Estados Unidos rumo à América Latina, um ato que pode provocar a revolta da China. Durante o evento na Biblioteca Ronald Reagan, Tsai defendeu os valores democráticos, apesar das exigências que Pequim transmitiu a Washington no fim de julho para evitar a escala nos Estados Unidos da política taiwanesa, a caminho do Paraguai. "Queremos promover juntos a estabilidade regional e a paz sob os princípios do interesse nacional, da liberdade e da democracia", completou. O governo de Pequim considera Taiwan parte de seu território, apesar da ilha ser governada de forma independente por um regime rival desde 1949. A China comunista, no entanto, se nega a reconhecer sua soberania e proíbe que seus sócios mantenham relações diplomáticas com Taipé, em nome do princípio de "uma só China". O governo dos Estados Unidos mantém lanços ambíguos com Taiwan: reconhece a República Popular da China desde 1979, mas conserva as relações comerciais e uma aliança militar com a ilha, para a qual vende armas. Esta proximidade irrita as autoridades comunistas.O presidente americano, Donald Trump, irritou diversas vezes Pequim por seus gestos relacionados à ilha. Pouco depois de sua eleição no fim de 2016, ele aceitou uma ligação de Tsai Ing-wen, e este ano aprovou a "Lei de Viagens de Taiwan", que estimula os funcionários americanos a visitar Taiwan para conhecer seus colegas. Procurado pela AFP, o departamento do governo chinês responsável por Taiwan reiterou sua oposição a qualquer tentativa de promover a independência da ilha."Taiwan é uma parte inalienável da China. Somos veemente contrários a qualquer tentativa de criar 'duas Chinas', 'uma China, um Taiwan' e a 'independência de Taiwan' na cena internacional", afirmou o departamento em um comunicado.Desde a chegada ao poder em 2016 de Tsai Ing-wen, que se nega a reconhecer o "princípio de uma China", Pequim intensificou a pressão econômica, militar e diplomática sobre a ilha.

Escrito por:

AFP